Livros: Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada - O jovem Pablo Neruda

Nesse domingo, li mais um livro de Pablo Neruda. "Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada" (Martins) foi a primeira grande obra do chileno. Publicada em 1924, ela foi escrita quando o poeta tinha apenas vinte anos de idade. Seu conteúdo está relacionado aos primeiros amores e, por consequência, as primeiras desilusões afetivas do escritor. 

 

Nessa publicação, Neruda relaciona o erotismo do corpo feminino aos fenômenos da natureza. O amor inocente e puro do poeta parece invocar o mundo externo em uma perfeita comunhão estética. A representação dos sentimentos das primeiras relações amorosas de Neruda surge metaforicamente encenada pela fauna e flora local.

 

Assim, a solidão resultante da ausência da amada é comparável ao escurecer provocado pelo crepúsculo. Os beijos e os carinhos a dois são como a produção de mel pelas abelhas. A dependência atiçada pelo amor intenso é parecida com a necessidade de ar e de alimento pelos seres vivos. A doçura das partes do corpo da mulher é tão afrodisíaca para o homem como são as flores e o néctar das plantas para os pássaros. E os momentos carnais vividos com a outra metade são tão intensos como as tempestades no mar e as agitações do céu.

Abaixo estão alguns fragmentos extraídos dos poemas chamados de Amor.

 

"Ah vastidão de pinheiros, rumor das ondas quebrando,

lento jogo das luzes, solitária cabana

crepúsculo abatendo-se em teus olhos, boneca,

caramujo terrestre, em ti a terra canta!

Em ti os rios cantam e minha alma se perde neles

como tu o desejas e fazia para donde tu o querias".

 

"Silenciosa, minha amiga,

solidão do solitário desta hora das mortes

e cheia das vidas do fogo,

pura herdeira do dia destruído".

 

"Eis que manha chega de tempestade

em um coração do verão.

Como alvos lenços de adeus passeiam as nuvens,

e o vento os sacode com suas mãos andarilhas.

Incontável coração do vento

batendo sobre nosso silêncio enamorado".

 

"Recordas-te como era no último outono.

Era a boina gris e o coração em calma.

Em teus olhos guerreavam as chamas do crepúsculo

e as folhas caíam na água de tua alma.

Apegada em meus braços como uma trepadeira.

as folhas recolhiam tua voz lenta e em tua calma".

 

"Abelha branca zumbe ébria de mel em minha alma

e te estorces em lentas espirais de fumaça.

Sou o desesperado, a palavra sem ecos,

o que perdeu tudo, e o que tudo esvai".

Das poesias intituladas de amor, a que mais gostei foi a de número doze (os poemas são numerados de um a vinte). Confira-a na íntegra:

 

"Para meu coração basta-me teu peito,

para tua liberdade basta, minhas asas.

De onde minha boca chegará até o céu

o que estava entorpecido sobre tua alma.

É em ti a ilusão de cada dia.

Chegas como o orvalho das corolas.

Socava o horizonte com tua ausência.

Eternamente em fuga como a onda.

Eu falei que cantavas com o vento

como os pinheiros e como os mastros.

Como eles é alta e taciturna

e entristeces de pronto, como uma viagem.

Acolhedora como um velho caminho.

Te povoam ecos e vozes nostálgicas.

Eu despertei e às vezes migraram e fugiram

os pássaros que adormeciam em tua alma".

 

A poesia 15 foi posteriormente musicada por Vicente Bianchi e interpretada por Arturo Gatica.

Como toda poesia de amor juvenil, essas contêm o exagero e a extravagância do impulso do autor pouco contido e sem qualquer experiência de vida. Aí estão as principais qualidades e defeitos do texto. Em "Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada" temos um jovem Pablo Neruda extremamente passional e platônico. Assim, suas poesias se tornam sinceras (percebe-se que vieram dos seus mais nobres sentimentos) e imbuídas de uma força arrebatadora (como são típicas dessa idade) - essas são as qualidades. Ao mesmo tempo, elas são infantis e completamente desvinculadas da realidade - aqui estão seus defeitos.

 

Por isso, a melhor parte do livro surge no final. Quando o escritor toma "um pé na bunda" da sua amada, ele escreve a tal canção desesperada que complementa o título da obra. Esse desfecho tem a profundidade da primeira parte, mas possui um tom realista e concreto que a outra não tinha.

 

"Abandonado como o impulso das auroras.

É a hora de partir, oh abandonado!

Sobre meu coração chovem frias corolas.

Oh sentina de escombros, feroz cova de náufragos!

Em ti se ajuntaram as guerras e os vôos.

De ti alcançaram as asas dos pássaros do canto.

Tudo que o bebeste, como a distância.

Como o mar, como o tempo. Tudo em ti foi naufrágio!

Era a alegre hora do assalto e o beijo.

A hora do estupor que ardia como um faro.

Ansiedade de piloto, fúria de um búzio cego

túrgida embriaguez de amor, Tudo em ti foi naufrágio!".          

O livro é interessante. De rápida leitura, se gasta aproximadamente uma hora para lê-lo com atenção. Contudo, ele está longe de caracterizar a fase de maturidade e excelência de Neruda. "Ainda", livro lido há alguns dias, é uma obra muito mais rica e profunda (fora escrita nos últimos anos de vida do chileno). "Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada" serve para termos uma noção do potencial que tinha o jovem Pablo Neruda no início da carreira. Ele estava, nessa altura, um pouco distante do poeta que seria condecorado como um dos principais do século XX.

 

É verdade que Neruda já possuía, nesse início de trajetória profissional, um talento enorme e suas obras já continham elementos e características que o definiriam como poeta: sentimentalismo exacerbado, o canto de amor à mulher amada, a criação de neologismos, os versos não metrificados, as rimas livres, a linguagem ousada e a citação da natureza para descrever seus sentimentos e os encontros amorosos.

 

Já é possível notar em "Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada" o DNA de Pablo Neruda como poeta. Porém, para conhecermos o ápice da escrita desse autor, precisamos avançar na leitura dos livros produzidos durante a fase mais madura de sua vida. É com esse objetivo que começarei a ler "Cem Sonetos de Amor" (L&PM Pocket), sua obra mais conhecida e que será analisada em um post do Desafio Literário no dia 15. Não perca as próximas novidades sobre Pablo Neruda no Blog Bonas Histórias.   

 

Gostou da seleção de autores e de obras do Desafio Literário? Que tal o Blog Bonas Histórias? Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário aqui. Para saber mais sobre as Análises Literárias do blog, clique em Desafio Literário. E não deixe de curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

Please reload

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes
Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento