• Ricardo Bonacorci

Filmes: O Médico Alemão - Um suspense na Patagônia


A maioria dos filmes argentinos de pedigree é muito parecida em seu contexto. Eles se passam normalmente em Buenos Aires. São quase sempre muito engraçados (com o humor ácido típico dos portenhos). Geralmente, eles giram em torno de temas como críticas sociais, do comportamento das pessoas no dia a dia, das crises existenciais (amores e desilusões) e do passado recente do país (principalmente no período da ditadura militar). E, para completar, há a presença constante do ator Ricardo Darín para abrilhantar a produção. Essa minha constatação não é uma crítica. Longe disso! Quem me acompanha neste blog há mais tempo deve saber que eu sou louco pelo cinema argentino. Não perco um filme produzido naquele país. As produções vindas de lá tradicionalmente são de uma qualidade muito superior às produzidas por aqui (desculpe-me os cineastas nacionais). Se essa receita está dando certo, quem sou eu para questioná-la?!

Estou dizendo tudo isso porque hoje assisti com minha irmã a um filme argentino diferente do tradicional. "Médico Alemão" (Wakolda: 2013) se passa na Patagônica, é do gênero suspense, conta a história real do médico nazista Josef Mengele que fugido da Europa (onde era procurado pelos crimes praticados contra a humanidade na Segunda Guerra) tenta "ajudar" uma família local de classe média no tratamento de crescimento de uma de suas filhas e não tem em seu quadro de atores Ricardo Darín. Ou seja, é um filme argentino não catalogado dentro da receita padrão do seu cinema.

Esse mérito é da jovem e competente diretora Lúcia Puenzo, especialista em produzir filmes polêmicos e emocionantes. É dela, por exemplo, o espetacular "XXY" (2007), em que retrata as dificuldades de uma transexual de 15 anos em conviver com o preconceito de sua comunidade, uma pequena vila litorânea. É dela também o belo e dramático "O Menino Peixe" (El Niño Pez:2009), história de amor entre uma adolescente de classe média alta de Buenos Aires e sua empregada doméstica paraguaia de 20 anos.

"Médico Alemão", a nova produção de Puenzo, aborda a migração de nazistas, que fugidos da Alemanha derrotada na Segunda Guerra Mundial, foram se refugiar na Argentina. Enquanto os nazistas criaram uma comunidade para se mantiverem ocultos, os argentinos e israelenses trabalharam incansavelmente para localizá-los e prendê-los. Neste cenário, o carismático, inteligente e sedutor, apesar de misterioso, médico alemão especializado em pesquisa genética, que no filme se chama Helmut Gregor (bem interpretado por Àlex Brendemühl), resolve partir para o local mais isolado do novo país: a Patagônica. Lá há uma comunidade alemã e as chances, aparentemente, de ser pego são menores. Aos poucos, Gregor consegue quebrar a resistência de uma das famílias argentinas e passa a utilizar seus integrantes como cobaias em suas experiências médicas.

O filme é envolto em uma penumbra de mistério e suspense. Às vezes, o longa-metragem fica meio parado. Entendi esse recurso como sendo para deixá-lo mais enigmático e dramático, porém pode desagradar alguns telespectadores. Em outros instantes, a narrativa fica meio confusa, comprometendo um pouco o ritmo e a compreensão da história. A fotografia de "Médico Alemão" é o ponto forte desta produção. A Patagônia é maravilhosa e o filme conseguiu extrair o lado mais belo dessa região da Argentina. Há cenas de tirar o fôlego, principalmente quando se mostra a paisagem. Trata-se, portanto, de uma produção para ser assistida e, principalmente, para ser namorada com os olhos.

Assim, "Médico Alemão" tem como principal mérito fugir do clichê do cinema argentino. Se essa produção não empolga como resultado final, pelo menos nos permite ver uma história diferente, com atores desconhecidos, em um contexto novo e filmada em um lugar incomum. Ponto para a originalidade.

Veja o trailer de "Médico Alemão":

O que você achou deste post e do conteúdo do Blog Bonas Histórias? Não se esqueça de deixar seu comentário. Se você é fã de filmes novos ou antigos e deseja saber mais notícias da sétima arte, clique em Cinema. E aproveite também para curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

#LúciaPuenzo #CinemaArgentino #Drama #Suspense #JosefMengele #ÀlexBrendemühl

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento