• Ricardo Bonacorci

Filmes: O Último Poema do Rinoceronte - O cinema iraniano de Bahman Ghobadi


Chega aos cinemas brasileiros "O Último Poema do Rinoceronte" (Fasle Kargadan: 2012), filme do diretor iraniano Bahman Ghobadi, de “Tempo de Embebedar Cavalos” (Zamani Baraye Masti Asbha: 2000) e de “Tartarugas Podem Voar” (Lakposhtha ham Parvaz Mikonand: 2004. Ghobadi, de 46 anos, faz parte da "Nova Onda" (New Wave) do cinema iraniano e é um dos principais cineastas da atualidade de seu país (ao lado de Abbas Kiarostami, Moshen Makmalbaf, Jafar Panahi e Asghar Farhadi).

A "Nova Onda" iraniana é o movimento artístico, iniciado em 1964, que transformou o Irã em um dos principais produtores cinematográficos do mundo. Os filmes desta linha são tradicionalmente: poéticos, com uma narração simbólica e muito reflexiva, com um realismo acentuado (se parecendo com documentário), roteiros focando nas camadas mais desfavorecidas da população (principalmente as comunidades rurais) e com um ritmo narrativo bem lento. Quase todas estas características estão presentes nesta produção de Bahman Ghobadi.

"O Último Poema do Rinoceronte" relata a história verídica da saída da prisão do poeta iraniano-curdo Sadegh Kamangar, chamado de Sahel (interpretado por Behrouz Vossoughi), depois de trinta anos de detenção. O artista foi preso durante a Revolução Islâmica, em 1979, acusado injustamente de fazer versos de oposição ao regime recém-implantado no país. O sonho de Sahel, agora, é reencontra sua mulher Mina (Monica Bellucci). Ela foi viver na Turquia e pensa que o marido morreu há muitos anos (o regime havia anunciado em determinado momento do passado que o poeta tinha morrido na prisão).

O filme, como o próprio título já informa, é muito poético e recheado de simbolismos. O roteiro foi baseado nos diários do poeta escritos ao longo de sua vida. Além do componente político, a história possui uma disputa amorosa: o motorista de Sahel (Akbar Rezai) é obcecado pela mulher do patrão e faz de tudo para ficar com ela. O motorista, no fim das contas, acaba sendo o principal vilão da história, até mesmo superando os policiais e os políticos do regime islâmico que prenderam o poeta injustamente.

A narrativa de "O Último Poema do Rinoceronte" não apresenta uma linearidade. Os acontecimentos vão sendo apresentados sem uma ordem cronológica. O espectador é quem precisa montar a sequência em sua mente. A fotografia do filme também é muito boa. Aproveitaram-se muito bem os cenários da região da Turquia escolhidos como locação. Os enquadramentos fogem do convencional, ressaltando ainda mais as imagens na tela. A estética do filme é um dos principais pontos positivos desta produção.

Há também muitas cenas oníricas, fruto dos sonhos e dos desejos do personagem principal. Acompanhar e interpretar essas divagações de Sahel é a base para entender a mensagem do filme. Em alguns momentos, é necessário ter um repertório maior das obras de Bahman Ghobadi, pois há referências a outros filmes do diretor (há closes em cavalos e tartarugas

caindo do céu como se fosse água da chuva).

O único ponto negativo desta obra é o ritmo. Em vários momentos, o longa-metragem é muito parado, às vezes cansativo. Aí o risco de se acabar dormindo é grande. Por que será que os iranianos gostam de filmes tão parados? Acho que nunca vou compreender isto...

Em resumo, "O Último Poema do Rinoceronte" é um drama sensível, forte e muito poético, que consegue retratar muito bem os desafios de um país dominado pelo fundamentalismo religioso.

Assista ao trailer desta produção:

O que você achou deste post e do conteúdo do Blog Bonas Histórias? Não se esqueça de deixar seu comentário. Se você é fã de filmes novos ou antigos e deseja saber mais notícias da sétima arte, clique em Cinema. E aproveite também para curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

#BahmanGhobadi #CinemaIraniano #CinemaAsiático

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento