• Ricardo Bonacorci

Livros: Zero - O romance radical de Ignácio de Loyola Brandão


Zero de Ignácio de Loyola Brandão

Um livro único e de grande ousadia estética. Estas são as características mais acentuadas de "Zero" (Global), obra de Ignácio de Loyola Brandão. Ao lê-la, me senti em uma música da Tropicália. Ou em um videoclipe da MTV. Ou mesmo no meio do filme "Birdman ou A Inesperada Virtude da Ignorância" (Birdman: 2015). Afinal, as coisas vão acontecendo sem uma lógica pré-definida neste livro. A história é contada por meio de fragmentos, textos desconexos e imagens atiradas diante dos nossos olhos. A narrativa é ao mesmo tempo caótica e engraçada.

Livro mais importante da carreira de Loyola Brandão, "Zero" é realmente inquietante e muitíssimo inovador. Não é à toa que foi eleito, em 2000, pelo jornal "O Globo" e pela revista "Manchete" como um dos cem melhores romances do século XX. Também não foi por acaso que a publicação foi censurada pelos militares aqui no Brasil na época em que foi produzida. As autoridades alegaram que a obra ia contra os bons costumes e à moral da sociedade. Editado inicialmente na Itália em 1975, "Zero" só chegaria às livrarias brasileiras de forma definitiva em 1979. Hoje, este livro é apontado com um dos clássicos da literatura nacional.

Ignácio de Loyola Brandão

"Zero" conta a história de amor e ódio entre o casal José e Rosa. Você se lembra daquela música do Leandro e Leonardo, "Entre Tapas e Beijos" (1989)? Pois bem: parece que ela foi escrita pensando nos protagonistas do livro (brincadeira!). Depois de se casarem, José e Rosa vivem praticando sexo e brigando. Ou seja, ora se amam, ora se espancam violentamente.

Enquanto conhecemos a vida do casal (em detalhes hilários e pitorescos), também somos apresentados a uma infinidade de episódios absurdos que acontecem pela cidade onde eles moram (São Paulo). Há o circo cheio de aberrações. Há a burocracia infernal: uma simples consulta ao médico de um hospital público, por exemplo, pode se transformar em uma maratona para o paciente. A polícia e os militares também são intransigentes, buscando comunistas em todos os lugares e desconfiando de qualquer um.

A violência, o pessimismo, a sátira, o grotesco e a desconexão estética e conceitual dão o tom neste livro. Como pano de fundo, temos a repressão (da Ditadura Militar) e o desejo de liberdade (política e de expressão), temas que seriam novamente abordados por Loyola Brandão em uma obra futura: "Não Verás País Nenhum" (Global), na década seguinte. Segundo Antônio Candido, um dos principais críticos literários do país, "Zero" é uma obra de um "realismo feroz".

Livro Zero de Ignácio de Loyola Brandão

A grande sacada criativa de Ignácio de Loyola Brandão com "Zero" foi ter quebrado a forma tradicional de escrever um romance. O escritor revolucionou a estrutura como o livro foi concebido. Há a tentativa de se reproduzir fielmente sons de gritos, tiros, atropelamentos, músicas, orgasmos e explosões. A vida e os pensamentos dos personagens são esmiuçados sem qualquer vergonha de se expor a realidade nua e crua. Cheio de notas de rodapés (hilárias por sinal), com pequenos desenhos e figuras (às vezes, parece que estamos vendo uma revista ao invés de um livro), com tramas paralelas (inclusive dividindo espaço na diagramação da página onde a história principal é contada) e uma narração em tom caótico, "Zero" pode ser caracterizado como tendo uma estética própria e única.

Além disso, a história é contada de maneira fragmentada, um tanto desordenada. Cabe ao leitor a obrigação de ir montando as peças do quebra cabeça atiradas pelo escritor. No meio da narrativa, há vários comentários e inserções que, a princípio, estão desconectados do enredo principal, mas que dão graça e certa leveza à publicação (tão cheia de violência e de cenas pitorescas).

O tom do livro é ácido, cheio de explicações corrosivas por parte do autor. A linguagem é popular, com grande oralidade e (propositadamente) um tanto desbocada. Não há pudor em descrever cenas de sexo, violência ou as deformações físicas dos personagens.

Ignácio de Loyola Brandão

Loyola Brandão fica muito à vontade para escrever o que bem entende e da forma como deseja. O resultado é um livro caótico e arrojado. Ele atrai, assombra e hipnotiza os leitores. Sem dúvida, um dos melhores livros nacionais que já li. "Zero" ficará em um lugar de destaque na prateleira da minha biblioteca. Merecidamente!

Gostou da seleção de autores e de obras do Desafio Literário? Que tal o Blog Bonas Histórias? Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário aqui. Para saber mais sobre as Análises Literárias do blog, clique em Desafio Literário. E não deixe de curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

#IgnáciodeLoyolaBrandão #Romance #LiteraturaContemporânea #LiteraturaBrasileira

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Mandarina é a livraria diferenciada que está localizada em Pinheiros, na cidade de São Paulo
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Comunicação Integrada é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento