• Ricardo Bonacorci

Filmes: O Pequeno Príncipe - A continuação de um clássico da literatura


Demorei para assistir ao filme "O Pequeno Príncipe" (The Little Prince: 2015). Só o fiz na semana passada, no Cinemark do Shopping Tietê Plaza. Acho que ele já esteja até saindo de cartaz. Se ainda estiver nos cinemas, é exibido em poucas salas. Por já conhecer a história de Antoine de Saint-Exupéry, acreditava que não iria me surpreender com este longa-metragem. E me enganei redondamente. Se soubesse que ele era tão interessante, teria ido vê-lo muito antes.

Dirigido por Mark Osborne, cineasta responsável por "Hop - Rebelde Sem Páscoa" (Hop: 2010), "Monstro vs. Alienígenas" (Monsters vs. Aliens: 2009) e "Kung Fu Panda" (Kung Fu Panda: 2008), "O Pequeno Príncipe" é uma animação que mistura o estilo stop-motion para parte da narrativa e a animação digital para outra parte da história. Orçado em 60 milhões de euros, esta produção francesa chegou aos cinemas brasileiros em agosto deste ano.

A história do filme não é o retrato literal da fábula desenvolvida por Antoine de Saint-Exupéry na década de 1940. E aí está a graça desta produção. Ela narra a vida de uma menina que acabou de se mudar com a mãe para uma nova cidade. A mãe da garota é obcecada pelos estudos da filha, obrigando-a a ficar mergulhada nos livros o tempo inteiro. A menina segue em um ritmo frenético de estudos em seu quarto até um acidente ocorrer na propriedade ao lado. O vizinho, um aviador aposentado, ao tentar decolar com sua velha aeronave do quintal de sua casa, acaba espalhando as peças do avião para todos os lados, inclusive para a casa das recém-chegadas na cidade.

Atraída pela figura cativante do bom velhinho da residência ao lado, a garota aos poucos vai abandonando os estudos para aproveitar a companhia do aviador. O ex-piloto conta, então, a história do Pequeno Príncipe. Ele, segundo o filme, é o aviador que conheceu o pequeno personagem da história de Saint-Exupéry. Curiosa para saber o que aconteceu de fato com o menino loirinho da fábula, a menina resolve decolar com o avião a procura do mítico personagem. Aí começam as aventuras de fato do filme.

Não é preciso ter lido o livro para compreender este filme, pois a história de Saint-Exupéry é, em suma, contada pelo aviador para a menina. Assim, o expectador pode se situar na narrativa. Contudo, aqueles que já tiveram bom contato com esta obra irão aproveitar muito mais o longa-metragem, principalmente na última parte quando a continuação da história será contada.

"O Pequeno Príncipe" é um grande filme. Seu principal mérito está em não reproduzir literalmente a narrativa do livro (para isto, prefira o musical homônimo de 1974 com Richard Kiley no papel do aviador, Steven Warnet no papel do Príncipe e Gene Wilder no papel da Raposa), mas permitir aos amantes dessa obra conhecer a continuação desta história clássica. A menina irá descobrir onde está e como vive o Pequeno Príncipe já adulto, após muitos anos da sua visita ao nosso planeta. É incrível esta parte do filme. Repare nos demais personagens da obra escrita que também reaparecem nesta parte da animação. Os últimos 40 minutos são ótimos! Imperdíveis!!!

Durante todo longo-metragem, vivemos a atmosfera da obra de Antoine de Saint-Exupéry. "Você se torna eternamente responsável por aquilo que cativa", "Somente com o coração nós podemos ver com clareza" e "O essencial é invisível para os olhos" embalam a narrativa, conferindo uma carga poética ao enredo. A subjetividade e a profundidade da mensagem não estão aparentes. É necessário um pouco de reflexão por parte do expectador para entender os pontos discutidos pelos personagens (aí os adultos vão aproveitar mais o filme dos que as crianças).

O filme de Mark Osborne tem uma narrativa envolvente e bem construída. Há cenas de ação na medida certa e o humor é bem sutil (como no livro). Ou seja, quem não conhece a história do Pequeno Príncipe irá gostar do filme. E quem já conhece, tem tudo para adorar esta animação.

Veja o trailer de "O Pequeno Príncipe" (The Little Prince: 2015):

O que você achou deste post e do conteúdo do Blog Bonas Histórias? Não se esqueça de deixar seu comentário. Se você é fã de filmes novos ou antigos e deseja saber mais notícias da sétima arte, clique em Cinema. E aproveite também para curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

#MarkOsborne #AntoinedeSaintExupéry

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento