• Ricardo Bonacorci

Livros: O Iluminado - A consolidação de Stephen King


Depois do sucesso meteórico de "Carrie, a Estranha" (Suma de Letras), livro de estreia de Stephen King publicado em 1974, o público e o mercado editorial aguardavam ansiosamente o segundo passo do escritor. Afinal, King era talentoso no romance assim com era nos contos ou tivera sorte de principiante? A primeira obra fora mero acaso ou representaria o início de uma sólida trajetória artística? Seu estilo literário havia chegado para ficar ou ele não conseguiria repetir a fórmula que o consagrara em "Carrie"?

"O Iluminado" (Suma de Letras) foi publicado no ano de 1977. E o sucesso da estreia se repetiu com a nova publicação, espantando qualquer dúvida que pudesse haver sobre seu jovem escritor. Para ser mais preciso, "O Iluminado" acabou vendendo até mais do que "Carrie". Rapidamente, o novo livro se tornou best-seller nas livrarias norte-americanas. A boa aceitação da nova obra acabou consolidando a carreia de Stephen King como um autor de histórias de terror.

Se "Carrie, a Estranha" foi inspirada em uma reportagem da revista Life e teve como referências duas meninas que o escritor conheceu em sua infância e adolescência para compor as características da personagem principal, para escrever "O Iluminado", King se inspirou em suas próprias experiências. Após visitar o Hotel Stanley, no Colorado, o autor se motivou a escrever sobre um tipo de estabelecimento como aquele, porém bem mais decadente, isolado e fantasmagórico. Sua dificuldade para largar o alcoolismo também permitiu emprestar esta característica ao personagem Jack Torrance, um aspirante a escritor. Na metade da década de 1970, o consumo excessivo de bebida era considerado pela família King o principal problema do seu patriarca, posto assumido alguns anos depois por outros tipos de drogas.

O sucesso do livro incentivou a compra dos direitos autorais da história pelo estúdio de cinema Warner Bros. Assim como aconteceu com "Carrie, a Estranha", "O Iluminado" rapidamente virou filme. Em 1980, Stanley Kubrick dirigiu o longa-metragem homônimo que teve Jack Nicholson (no papel de Jack Torrance), Shelley Duvall (como Wendy Torrance) e o pequeno Danny Lloyd (interpretando o menino Danny Torrance). O desempenho de Nicholson vivendo o pai transtornado é antológico. O sucesso também na tela grande desta história acabou elevando ainda mais a popularidade de Stephen King. No início dos anos 1980, seu nome já era considerado um grande chamariz de público, tanto nas livrarias quanto nas bilheterias dos cinemas.

A história de "O Iluminado" se passa no Hotel Overlook, localizado no alto de uma montanha do Colorado. O estabelecimento, que outrora foi considerado um dos hotéis mais sofisticados e belos do mundo, ponto de encontro de famosos, poderosos e de gente riquíssima, hoje se encontra em nítida decadência. O movimento é tão fraco, principalmente no inverno rigorosíssimo da região montanhosa, que ele fica fechado nos meses mais frios do ano. Assim, todos os funcionários são liberados e é contratado um zelador para tomar conta do hotel. A contratação de um novo zelador é necessária porque o último, Delbert Grady, morreu recentemente e de forma trágica. Ele enlouqueceu no último inverno por causa do isolamento e acabou matando sua família, antes de se suicidar.

Assim, Jack Torrance é contratado para o novo cargo. Jack é um aspirante a escritor que está em fase de reabilitação do alcoolismo. Ele acha que a oportunidade de emprego no Hotel Overlook irá ajudá-lo em vários sentidos: permitirá que conclua uma peça que está escrevendo há anos; o forçará a ficar longe das bebidas; e fará com que fique mais próximo da família, formada pela esposa Wendy e pelo filho de cinco anos Danny. A relação de Jack com a esposa está meio desgastada nos últimos anos. A agressividade do marido quando bebe já trouxe muitos problemas para a esposa e para o filho pequeno. Wendy já cogitou algumas vezes se separar. Portanto, a viagem para o Colorado é a chance do casal voltar a viver em harmonia como no início do casamento.

Danny, o filho de Jack e Wendy, não é uma criança normal. Ele tem a capacidade de ouvir os pensamentos das pessoas do presente e do passado. Assim, ele se transportar no tempo, interagindo com aqueles que já morreram. Em um hotel com tantas histórias do passado como é o Overlook, esta habilidade do garoto pode ser um problema.

Logo que o inverno começa para valer e a família Torrance fica sozinha no hotel, uma tempestade de neve deixa-os isolados no alto da montanha. Dentro do hotel, eles não podem sair nem podem se comunicar com ninguém das cidades próximas. As estradas ficam bloqueadas. Neste momento, forças sobrenaturais começam a influenciar negativamente o comportamento de Jack. O zelador começa a delirar e a perder sua sanidade mental, colocando em risco a vida da esposa e do filho. Será que o que aconteceu no ano passado com o antigo zelador, Delbert Grady, e a família dele se repetirá novamente com Jack e os Torrance?

Este sim é um livro de terror (veja meu post sobre "Carrie, a Estranha" na qual questiono esta classificação para aquela obra). O hotel, por si só, é o ambiente ideal para os acontecimentos sobrenaturais e fantasmagóricos relatados na trama. Jack Torrance também se torna, em determinado momento da narrativa, o grande vilão, disposto a matar a esposa e o filho pequeno. Sem ninguém para recorrer, Wendy e Danny precisam encarar os fantasma do passado do hotel e a insanidade de Jack para sobreviverem. É ou não é uma bela história de terror? Claro que é!

O "Iluminado" é um livro mais bem acabado do que "Carrie, a Estranha". Mesmo assim, ele não foge do estilo popular que caracterizou seu autor ao longo dos anos. A linguagem continua sendo direta e simples. King é adapto da objetividade e não faz rodeios para contar a história. Ele utilizada de recursos convencionais e sua literatura não é das mais requintadas. O seu grande mérito é criar um clima de suspense que prende o leitor nas páginas do livro. Seus personagens também são muito bem construídos, exalando complexidade e uma certa dubiedade. O melhor exemplo é Jack Torrance. Ao mesmo tempo que ele é o vilão (e por isso não torcemos para ele em alguns momentos), Jack age de forma maléfica por causa dos espíritos maus que habitam o hotel (portanto, o zelador não tem culpa e, assim, acabamos torcendo por ele para vencer os fantasmas que o influencia negativamente).

É possível percebermos muitas semelhanças entre esta e a obra anterior do escritor: o personagem principal é uma criança (ou adolescente, no caso de Carrie) com poderes psíquicos, um dos pais (sempre um louco) é o causador dos problemas do filho (no caso de Carrie, era a mãe a causadora dos problemas), as habilidades incomuns do personagem principal são encaradas como um fardo e não uma dádiva e o ambiente no qual a criança está é perigoso e agressivo (o hotel para Danny e a escola para Carrie). Se formos analisar, a estrutura das duas obras é muito parecida. A base das histórias e a estrutura narrativa é a mesma.

"O Iluminado" tem um ritmo ótimo. Os acontecimentos vão se sucedendo em um clima de suspense do início ao fim. O terror é do tipo psicológico (Jack vai ficando louco) e sobrenatural (os espíritos que habitam o Hotel Overlook acabam infernizando a vida da família Torrance). É uma bela história. Não é à toa que se tornou um clássico contemporâneo do terror.

Stephen King, após o lançamento do livro, precisou vir a público para dizer que a sua nova obra não era autobiográfica. Parte da imprensa questionava se Jack Torrance não era o alter ego do escritor. Afinal, o personagem de "O Iluminado" era um escritor em início de carreira, sofria com o alcoolismo e vivera algum tempo em um hotel do Colorado, como havia feito Stephen no ano de 1974. O autor se indignou com esta versão, principalmente com a possibilidade de tentar matar a esposa e os filhos pequenos, como Jack fez durante boa parte da publicação.

Com o tempo, a crítica especializada e o público perceberam que o grande mérito de King estava em narrar histórias surpreendentes, que jamais poderiam acontecer com ele e com sua família. Com isso, a tese de relato autobiográfico foi se esmorecendo com o tempo. O que ficou foi a força da história de "O Iluminado".

Gostou da seleção de autores e de obras do Desafio Literário? Que tal o Blog Bonas Histórias? Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário aqui. Para saber mais sobre as Análises Literárias do blog, clique em Desafio Literário. E não deixe de curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

#StephenKing #Romance #Terror #Suspense #Drama #LiteraturaContemporânea #LiteraturaNorteAmericana #Livros

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento