• Ricardo Bonacorci

Filmes: Duelo em Monterey - Faroeste inovador da década de 1950


Sexta-feira, assisti ao filme "Duelo em Monterey" (Gun Battle at Monterey: 1957). Este faroeste foi a principal produção da dupla de diretores Sidney Franklin Jr. e Carl K. Hittleman. O roteiro ficou a cargo de Lawrence Resner. O elenco contava com Sterling Hayden, Ted de Corsia, Lee Van Cleef e Pamela Duncan. Os dois pontos que mais me chamaram a atenção neste longa-metragem foi seu roteiro enxuto e ágil e o desfecho aberto e surpreendente. Ou seja, trata-se de um filme bem inovador para a década de 1950.

"Duelo em Monterey" começa com a dupla de assaltantes formada por Jay Turner (interpretado por Sterling Hayden) e Max Reno (Ted de Corsia) fugindo após a realização de um grande roubo. Os criminosos escondem-se em uma caverna no litoral para despistar os policiais. Enquanto aguardam as coisas se acalmarem, Reno começa a fazer novos planos para a dupla. Por outro lado, Turner está feliz com o dinheiro adquirido naquele assalto. Ele deseja interromper a vida de crimes.

Ao saber da intenção do parceiro em desfazer a dupla, Reno fica nervoso e dá três tiros nas costas de Turner. Em sua visão, o fim da parceria criminosa é uma traição que ele não aceita. Vendo o amigo estatelado no chão, Reno se apropria do dinheiro do companheiro e parte para o Velho Oeste para empreender, deixando Turner morrer sozinho.

A sorte de Turner é que Maria (Pamela Duncan), uma jovem mexicana da localidade, vê o rapaz caído e corre para socorrê-lo. Após semanas de tratamento, a moça e seu pai conseguem salvar o homem baleado. Uma vez recuperado, Jay Turner parte atrás de Max Reno para se vingar. Contudo, ele não deseja simplesmente matar seu algoz. Turner prometeu para Maria, seu grande amor, que ele não iria sujar suas mãos de sangue. Por isso, ele desenvolve um plano elaborado de vingança que surpreende o antigo parceiro.

"Duelo em Monterey" é dinâmico e enxuto. Em pouco mais de uma hora, o expectador vê todo o desenvolvimento da trama. O roteiro é ágil, não dando espaço para diálogos desnecessários e cenas dispensáveis. Os poucos personagens também ajudam a condensar a trama no núcleo principal. Essas características tornam o filme agradável e acelerado.

A grande inovação do roteiro está em seu final. O longa-metragem caminha de maneira previsível até as suas duas últimas cenas. Aí acontece algo que surpreende o expectador (fique tranquilo que nunca conto o spoiler). Não é incomum as pessoas que estão assistindo ao filme levarem um susto com o desfecho. Há quem fique incrédulo ou não entenda nada. O mais curioso é que este final é bastante divertido (e controverso). O roteirista obviamente explora a comicidade da opção escolhida para o encerramento da história.

"Duelo em Monterey" é um filme muito interessante exatamente pelas suas duas características principais: roteiro enxuto e ágil e final surpreendente e aberto. Estes elementos não são comuns de serem encontrados em produções de faroeste da década de 1950. Por isso, o longa-metragem se torna tão incrível. Gostei muito dele!

O que você achou deste post e do conteúdo do Blog Bonas Histórias? Não se esqueça de deixar seu comentário. Se você é fã de filmes novos ou antigos e deseja saber mais notícias da sétima arte, clique em Cinema. E aproveite também para curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

#SidneyFranklinJr #CarlKHittleman #LawrenceResner

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento