• Ricardo Bonacorci

Livros: Vidas Secas - O retirante sertanejo de Graciliano Ramos


Comecei a leitura de Graciliano Ramos, o autor foco deste mês do Desafio Literário, por sua obra mais conhecida: "Vidas Secas" (Record). Escrito entre 1937 e 1938 e publicado originalmente em 1938, este livro foi o quarto romance do escritor alagoano - "Caetés" (1933), "São Bernardo" (1934) e "Angústia" (1936), nessa ordem, foram antecessores.

O enredo de "Vidas Secas" relata a vida sofrida da família de retirantes sertanejos: Fabiano (marido), Dona Vitória (esposa), o menino mais velho e o menino mais novo (os filhos, ainda crianças, não possuem uma denominação). Completa o grupo a cadela Baleia, considerada por todos como o quinto integrante do clã.

A narrativa começa e termina com a família em caminhada para uma região menos árida. A seca castiga e devasta o Sertão, matando o gado, exterminando as plantações e trazendo fome e pobreza à população. Com a esperança de uma existência mais digna e melhor, o grupo abandonada tudo para trás e segue em caminhada para o sul do país.

A primeira inovação de "Vidas Secas" foi jogar luz para um tipo de brasileiro que até então era desprezado pela literatura nacional: o sertanejo retirante. Nessa obra, entramos na vida e na mente das pessoas humildes que sofrem com a natureza (a seca implacável), com a ganância dos conterrâneos (sendo roubados pelo proprietário do armazém, pelo soldado e pelo dono das terras) e com a sua própria ignorância (não possuem qualquer estudo). Percorrer os pensamentos e os sonhos das personagens chega a ser poético. Fabiano deseja se tornar um homem respeitado socialmente; Dona Vitória sonha com uma cama de verdade e um futuro diferente para os filhos; e as crianças querem apenas emular as ações do pai-herói.

Outro ponto muito interessante desta obra está em retratar o cenário (seca) e as personagens (seus comportamentos e aspirações) através da estética das palavras e do discurso. Como assim? Fabiano e sua família são descritos mais como animais do que como gente. Afinal, falam pouco (quando dizem algo é através de monossílabos ou de grunhidos), raramente conversam e estão sempre se agredindo. A seca do relacionamento e do diálogo entre eles, de certa forma, é um reflexo do ambiente em que estão inseridos. Por isso, a narrativa também é seca, sem diálogos e formada por textos curtos nos quais são descritas principalmente as ações das personagens. Ou seja, a aridez do ambiente invade as características das personagens e deságua na composição textual da obra de Gaciliano Ramos.

O livro é pequeno, com pouco mais de 120 páginas. Contudo, o que é narrado é ainda mais limitado (demonstrando a pobreza da vida da família e dos acontecimentos por eles vividos). Podemos contar as cenas dessa história: Fabiano cuidando dos animais, Vitória cozinhando, as crianças brincando, Fabiano sendo roubado e maltratado pelos demais cidadãos e a família em migração por causa da seca.

Possivelmente, o capítulo mais forte e marcante é aquele em que a cachorrinha da família precisa ser sacrificada. Curiosamente, há várias passagens do livro em que Baleia é quem possui os comportamentos e as características mais humanas (ela sofre um processo de humanização, enquanto seus donos passam por um processo de animalização). É realmente uma passagem muito triste e tocante. Eu que tinha lido esse livro pela primeira vez há quase vinte anos, a única personagem que me recordava em detalhes era a cadelinha Baleia e sua morte jamais saíra da minha mente.

Como há pouca ação, "Vidas Secas" torna-se um livro mais descritivo (com relato dos cenários e dos acontecimentos) e psicológico (entramos nas cabeças das personagens, descobrindo seus medos, suas intenções e suas aspirações). Quem não está acostumado com uma obra literária mais reflexiva e sem tanta ação pode se incomodar um pouco.

Gostei muito de reler esse livro. "Vidas Secas" realmente é um belo livro, demonstrando uma facete triste e desalentadora do nosso país.

O próximo livro do Desafio Literário de maio que será analisado no Blog Bonas Histórias é "Insônia" (José Olympio), uma coletânea de contos de Graciliano Ramos. Até o próximo post!

Gostou da seleção de autores e de obras do Desafio Literário? Que tal o Blog Bonas Histórias? Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário aqui. Para saber mais sobre as Análises Literárias do blog, clique em Desafio Literário. E não deixe de curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

#GracilianoRamos #Romance #LiteraturaBrasileira #LiteraturaClássica #Regionalismo #Modernismo #Drama

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento