• Ricardo Bonacorci

Filmes: Escritores da Liberdade - Lições de uma professora idealista


Domingo à noite assisti ao filme "Escritores da Liberdade" (Freedom Writers: 2007). Este longa-metragem teve a direção de Richard LaGravenese, de "P.S. Eu Te Amo" (P.S. I Love You: 2007), e contou com o protagonismo de Hilary Swank, atriz de "A Inquilina" (The Resident: 2010), "'Dívida de Honra" (The Homesman: 2014) e "P.S. Eu Te Amo" (P.S. I Love You: 2007). Com pouco mais de uma hora e meia de duração, este drama consegue emocionar até mesmo os corações mais resistentes. Admito que chorei bastante vendo o filme.

"Escritores da Liberdade" conta a história real da jovem professora Gruwell (Hilary Swank). Novata na profissão, ela é enviada para lecionar em uma escola pública da Califórnia. Sua primeira turma é do primeiro ano (colegial). O bairro e a escola são barra pesadas, com guerras de gangues e muita violência. A turma que Gruwell encara logo de início é formada por alunos problemáticos. Todos a odeiam porque ela é branca e aparenta ser de classe social abastada.

Contrariando os conselhos da família e superando os perigos por tentar educar aqueles adolescentes, a novata percebe que não conseguirá ser bem-sucedida na empreitada se realizar o trabalho de forma convencional. Por isso, ela lança mal de uma metodologia própria e alternativa de ensino. O seu jeito de ensinar surpreende os alunos e cria sérios problemas para ela. Os colegas de profissão e o diretor da escola passam a vê-la com maus olhos.

Devo admitir que fiquei encantado com o filme e com a história real de Gruwell. Se a trama não fosse baseada em fatos verídicos, acredito que a narrativa não teria a força que teve. Às vezes, era difícil de acreditar nas coisas que a professora fazia.

Além de um belo roteiro, apreciei a atuação dos atores. Hilary Swank está novamente impecável em seu papel. Contudo, o que mais chama a atenção é o desempenho dos atores que interpretaram os alunos. Quase todos eram novatos na atuação cênica e mal tinham saído da adolescência. Eles foram impecáveis. A escolha de pessoas reais que passaram pelo horror do Holocausto para interpretar seus próprios papéis também foi uma escolha acertada, dando grande verossimilhança às cenas.

A trilha sonora também é interessante e os diálogos são espetaculares. A parte em que os alunos conversam com a senhora que protegeu Anne Frank foi incrível. Gostei tanto que até repito aqui um pequeno trecho:

- Eu nunca tinha conhecido um herói. A senhora é minha heroína - disse um dos alunos à senhora europeia.

- Oh, não! - respondeu ela - Não, não, meu jovem, não. Eu não sou uma heroína. Não! Eu fiz o que tinha que fazer, porque era a coisa certa a fazer. Foi só isso. Nós somos todos, pessoas comuns, mas mesmo uma simples secretária ou uma dona de casa ou um adolescente podem, mesmo que com pequenas atitudes, acender uma luzinha em uma sala escura. Não é?

Fantástico. Simples e bela a mensagem.

O único ponto que admito que não gostei no filme foi a ambientação da escola. Se a instituição de ensino parece barra pesada e decadente, essa impressão deve ser sentida apenas para os norte-americanos. Aqui no Brasil, a escola retratada onde a professora Gruwell atou parece excelente. Somente quem entrou em algumas instituições educacionais públicas em nosso país pode entender o que estou dizendo.

"Escritores da Liberdade" é um dos melhores filmes que assisti nos últimos anos. A mensagem é linda e a história é maravilhosa. Quem gosta de se emocionar, com certeza vai gostar dessa bela lição de vida.

E não se esqueça de ficar atento à legenda final. A professora Gruwell consegue nos surpreender até mesmo quando o filme termina e os créditos narrativos da história surgem no encerramento.

Veja o trailer de "Escritores da Liberdade":

O que você achou deste post e do conteúdo do Blog Bonas Histórias? Não se esqueça de deixar seu comentário. Se você é fã de filmes novos ou antigos e deseja saber mais notícias da sétima arte, clique em Cinema. E aproveite também para curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

#RichardLaGravenese #HilarySwank

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento