• Ricardo Bonacorci

Músicas: Cartola - 40 anos do disco de ouro de um gênio


Em 1976, Cartola gravou seu segundo disco. A primeira gravação tinha acontecido dois anos antes, quando o músico tinha 66 anos. Naquele momento, ele já não acreditava mais que seria possível ouvir sua própria voz em um disco. Mesmo sendo reverenciado no mundo musical por grandes intérpretes (Carmen Miranda, Elis Regina e Francisco Alves cantaram suas músicas), o carioca de origem simples que frequentou a escola apenas até o terceiro ano primário nunca tinha sido, até então, procurado por uma gravadora. Isso mudou em 1974.

O primeiro disco de Cartola foi sucesso de crítica e de público. A maior prova disso foi que dois anos depois a sua segunda gravação reuniu a nata da música nacional. Os melhores músicos e produtores da época se envolveram diretamente com esta gravação. O resultado foi a criação de uma obra-prima da música popular brasileira, ainda melhor e mais bem-sucedida do que a primeira.

Cartola lançou neste disco de 1976 suas duas músicas mais importantes e conhecidas: "As Rosa não Falam" e "O Mundo É um Moinho". Porém, este não é um disco de apenas duas canções. Somente quando se ouve todas as faixas é possível ver a grandiosidade desta obra e a genialidade de Cartola. Neste LP há "Sala de Recepção" (samba, de 1942, feito em homenagem à Mangueira, escola do compositor), "Peito Vazio", de 1961, e "Preciso Me Encontrar", canção de Candela. Destaques também para "Ensaboa", "Minha" e "Cordas de Aço", que fecha a gravação.

O sucesso do disco foi imediato. "As Rosas não Falam" virou trilha de novela da Rede Globo e tornou Cartola ainda mais popular. Os jornais da época não se cansaram de elogiar o artista. Na capa do LP, surge Cartola de óculos escuros na janela de sua residência no morro da Mangueira. Ao seu lado estava sua terceira e última esposa, Eusébia Silva do Nascimento. A homenagem à mulher de Cartola, mais conhecida como Dona Zica, foi justíssima. Afinal, foi ela quem precipitou a criação de "As Rosa não Falam".

Vendo o jardim de casa cheio de rosas pela primeira vez, Dona Zica gritou para o marido: "Cartola, vem ver! Por que nasceu tantas rosas assim?". Ele simplesmente respondeu: "Não sei, Zica. As rosas não falam...". Estava criada parte dos versos da música mais famosa de Cartola.

Veja a letra da música:

As Rosas Não Falam - Cartola (1974)

Bate outra vez

Com esperanças o meu coração

Pois já vai terminando o verão

Enfim...

Volto ao jardim

Com a certeza que devo chorar

Pois bem sei que não queres voltar

Para mim

Queixo-me às rosas

Mas que bobagem

As rosas não falam

Simplesmente as rosas exalam

O perfume que roubam de ti, ai

Devias vir

Para ver os meus olhos tristonhos

E, quem sabe, sonhavas meus sonhos

Por fim...

A primeira faixa do disco é "O Mundo É um Moinho". Esta música foi composta por Cartola em 1973, mas ficou mais conhecida na interpretação feita por Cazuza na década de 1980. A lenda que envolve esta canção diz que ela foi feita para uma das filhas do compositor, que queria deixar a casa do pai mesmo ainda sendo uma adolescente. Por isso, o tom da música é de alerta para os perigos da vida. É possível verificar o carinho e a verdadeira preocupação para com o destino da jovem.

Veja também a letra desta canção:

O Mundo É um Moinho - Carola (1973):

Ainda é cedo, amor

Mal começaste a conhecer a vida

Já anuncias a hora de partida

Sem saber mesmo o rumo que irás tomar

Preste atenção, querida

Embora eu saiba que estás resolvida

Em cada esquina cai um pouco a tua vida

Em pouco tempo não serás mais o que és

Ouça-me bem, amor

Preste atenção, o mundo é um moinho

Vai triturar teus sonhos, tão mesquinhos

Vai reduzir as ilusões a pó

Preste atenção, querida

De cada amor tu herdarás só o cinismo

Quando notares estás à beira do abismo

Abismo que cavaste com os teus pés

"As Rosas não Falam" e "O Mundo é um Moinho" são canções clássicas da nossa música e merecem ser reverenciadas sempre. O segundo e melhor disco de Cartola completa 40 anos muito atual e belo. Confira a seguir a íntegra dessa obra-prima. Impossível não se emocionar.

Que tal este post e o conteúdo do Blog Bonas Histórias? Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário aqui. Para acessar os demais posts sobre o universo musical, clique em Músicas. E aproveite para curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

#Cartola

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento