• Ricardo Bonacorci

Talk Show Literário: Senhorita Simpson


[Quando as imagens das câmeras começam a transmitir o programa ao vivo para todo o país, o quinteto musical aparece tocando a canção “Mrs. Robinson” dos Beatles. Os músicos estão ao lado do palco principal e terminam a execução da canção. No centro, o apresentador está sentado sozinho atrás de sua mesa. É possível ver também a animação da plateia, que grita e acena festivamente].

Darico Nobar: Boa noite, pessoal! Nada melhor do que começar o Talk Show Literário com o som da nossa banda favorita. [O público no auditório demonstra concordar com as palavras do apresentador ao aplaudir bastante o grupo musical]. Em nosso programa de hoje, vamos abrir espaço para a novela. Minha entrevistada desta noite é uma marcante personagem desse gênero literário. Venha para o palco, Senhorita Simpson! [A convidada sobe ao palco mostrando uma grande timidez. A vibração da plateia a deixa ainda mais inimidada].

Senhorita Simpson: Hello, Sr. Nobar! Thank you very much for your invite. This night it's exciting for me. I never thought to be in television.

Darico Nobar: Nós que precisamos agradecê-la pela sua presença aqui.

Senhorita Simpson: In English, please. You should speak in English. Always!

Darico Nobar: O quê? A senhorita não quer falar em português? Por quê?!

Senhorita Simpson: Darling, please!

Darico Nobar: I'm sorry. The interview should be in Portuguese. There are many television viewers that don't understand English in Brazil…

Senhorita Simpson: Very well, Mr. Nobar. Very well!

Darico Nobar: Thank you. But my English isn't good to be practiced in a talk show.

Senhorita Simpson: This is a great reasons for you to talk in English. A student just learns well a new language when he practices relentlessly.

Darico Nobar: What? [O apresentador parece receber um recado pelo ponto eletrônico em seu ouvido]. The director of the program is warning me that the court hearing is going down. Please, Miss Simpson, let's speak Portuguese!

Senhorita Simpson: Oh, no! [A convidada começa a chorar]. It's terrible.

Darico Nobar: Why do you cry, Miss Simpson? What did I do wrong?! [O apresentador se aproxima da entrevistada, emprestando seu ombro para consolá-la].

Senhorita Simpson: I... [O choro não deixa a convidada falar direito. Ela abraça o âncora do programa carinhosamente]. I... I don't know how to speak Portuguese.

Darico Nobar: Don't worry. We have a good translation system here. You will see it. Produção! Por favor, traga os aparelhos de tradução instantânea. [O entrevistador recebe dois fones de ouvido e coloca com carinho um deles na visitante. Para isso, tira delicadamente o longo cabelo dela das orelhas. Nesse momento, a entrevistada já está quase no colo do apresentador. Ela parou de chorar, mas ainda está muito abalada. Na sequência, o apresentador coloca o outro fone nele mesmo]. Que tal?

Senhorita Simpson: Muito obrigada, Sr. Nobar. Desculpe-me pelo meu descontrole emocional. Não sei como deixei isso acontecer.

Darico Nobar: Não precisa se desculpar! Isso pode acontecer com qualquer um. E, por favor, me chame de Darico. Somos amigos agora, não somos? [Ele recoloca a mulher na poltrona dela].

Senhorita Simpson: Sim.

Darico Nobar: Diga-me: a senhorita já está há mais de trinta anos no Brasil e não fala nada de português. Como isso é possível?

Senhorita Simpson: O problema é que sou uma mulher solitária. Eu só interajo com meus alunos. E com eles, eu só falo em inglês, seja nas aulas ou quando eles vão me visitar em minha casa. Não tenho a oportunidade para praticar o português.

Darico Nobar: A senhorita continua recebendo alunos em sua casa?

Senhorita Simpson: Sim, sempre. Eu dou aulas particulares para os alunos com mais dificuldade de aprendizado.

Darico Nobar: No passado, que eu saiba, você fazia outras coisas com eles nessas aulas particulares em sua casa. Na turma do Pedro Paulo Silva, a senhorita foi para a cama com quase todos os alunos. Só não fez sexo com o Matoso porque ele não gostava da fruta, né?

Senhorita Simpson: Querido, eu mantenho esse método pedagógico até hoje. Os estudantes dizem que esse é o diferencial das minhas aulas. É conversando com os alunos sobre todos os aspectos da vida e vivendo as experiências corriqueiras do dia a dia que eles aprendem mais intensamente o novo idioma. Aprender uma nova língua deve ser uma imersão cultural completa. O estudante precisa agir como se a escola fosse sua segunda casa e a professora como uma integrante da sua família. Só assim, os trabalhos evoluem satisfatoriamente.

Darico Nobar: Os alunos não reclamam?

Senhorita Simpson: Claro que não! Eles adoram. Isso os estimula a retornar sempre para as aulas.

Darico Nobar: E os pais dos alunos, eles não ficam indignados?

Senhorita Simpson: Pelo contrário. Os pais dos adolescentes acham maravilhoso o método e muitos se matriculam nas turmas noturnas, que são só para adultos. Hoje em dia é fundamental falar bem o inglês e muitos deles não têm fluência nesse idioma. A maioria dos meus estudantes já é adulta, por isso os pais não ligam. Às vezes, tenho sim problemas, mas é com as esposas dos alunos. Algumas não entendem a minha entrega ao magistério e vão reclamar com o diretor.

Darico Nobar: O diretor do Piccadilly continua sendo o Mr. Higgins?

Senhorita Simpson: Sim.

Darico Nobar: E ele não reclama com a senhorita depois?

Senhorita Simpson: Às vezes ele também vai até a minha casa para conversarmos. Como diretor, ele não tem a oportunidade de exercitar seu inglês tão frequentemente como eu, uma professora. Por isso, eu o ajudo um pouco nisso. Uma mão lava a outra.

Darico Nobar: Uma professora se relacionar sexualmente com seus alunos e com o diretor da escola não é antiético?

Senhorita Simpson: Não, claro que não! Se eles tiverem mais de quinze anos não tem problema legal. Um professor, antes de tudo, é um educador. Ele precisa se dar inteiramente à sua profissão. Precisa cuidar do desenvolvimento completo dos estudantes. E não importa se o sujeito é aluno, colega ou chefe. Todos são seres humanos e devem evoluir em todos os sentidos. Por que não posso ajudá-los nisso?

Darico Nobar: A senhorita só tem alunos do sexo masculino?

Senhorita Simpson: Por muitos anos, eu só tive homens. Achava que não conseguiria ensinar as mulheres tão bem. Tinha certo preconceito, admito, das classes mistas. Achava que as mulheres não combinavam com minha pedagogia.

Darico Nobar: E agora?

Senhorita Simpson: Depois que tive uma ótima experiência com uma aluna particular no final da década de 1990, percebi que elas poderiam integrar as minhas turmas. O Mr. Higgins achou estranho no começo. Com o tempo, se acostumou. E hoje ele aprova totalmente. Afinal, as turmas do Piccadilly aumentaram consideravelmente nos últimos anos. Quase metade dos meus alunos são mulheres agora. As aulas ficaram mais interessantes e menos tediosas com elas. Todos saíram ganhando.

Darico Nobar: Vamos abordar sua vida pessoal. A senhorita pertence à família Simpson, certo? Você conhece o Homer, a Marge e as crianças?

Senhorita Simpson: Oh, não. Apesar do mesmo sobrenome somos de famílias distintas. Eles são de Springfield, na costa Leste, e nós somos de Provo, na costa Oeste.

Darico Nobar: A senhorita não é casada, mas está namorando no momento?

Senhorita Simpson: Não tenho namorado. Faz muitos e muitos anos que não tenho um relacionamento sério. Casar é um sonho que alimento desde pequena. (A entrevistada ruboriza). Quero me casar na igreja de vestido branco... Sou muito tradicional, sabe? Porém, é difícil achar um homem... [A convidada fica mais vermelha]. Ainda mais agora que não sou tão nova... [Ela volta a chorar. No começo é um choro leve]. Sinto-me tão velha, Darico. Sou mesmo velha para me casar? [O choro se torna intenso. Ela soluça entre o derramar das lágrimas].

Darico Nobar: Que isso, Senhorita Simpson? Você continua sendo uma mulher muito atraente. Não chore, por favor. [Ele abraça a entrevistada, que novamente aceita o consolo e pula no colo do apresentador para chorar de forma mais confortável]. Nunca sei o que fazer quando uma mulher bonita começa a chorar ao meu lado...

Senhorita Simpson: Não quero mais fazer o programa!

Darico Nobar: Claro! [O apresentador inclina-se para o lado para se desviar do corpo da mulher que está em cima dele. Ele, então, olha para a câmera 3]. Pessoal, o Talk Show Literário de hoje fica por aqui. Até semana que vem. Abraços a todos!

Senhorita Simpson: Obrigada. [A banda toca uma música de encerramento e os créditos do programa começam a subir na tela. Apresentador e entrevistada retiram seus fones de ouvido]. Darling, can you take me home?

Darico Nobar: Of Corse. Come on teacher.

Senhorita Simpson: If you want to practice a bit of English along the way we can.

Darico Nobar: Really?! I loved your idea. I need to talk English because I don't speak somebody a long time.

Senhorita Simpson: Great! I will love to be your teacher in this night, sweetheart.

Darico Nobar: Thank you.

Senhorita Simpson: You will thank really really me later baby.

------------------------------

O Talk Show Literário é o programa de televisão fictício que entrevista as mais famosas personagens da literatura. Assim como ocorreu na primeira temporada, neste segundo ano da atração, os convidados de Darico Nobar, personagem criada por Ricardo Bonacorci, são os protagonistas dos clássicos brasileiros. Para acompanhar as demais entrevistas, clique em Talk Show Literário. Este é um quadro exclusivo do Blog Bonas Histórias.

E não se esqueça de deixar seu comentário aqui, falando o que achou desta iniciativa e da entrevista realizada. Para receber as novidades do blog, curta a página do Bonas Histórias no Facebook.

#TalkShowLiterário #SérgioSantAnna

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento