• Ricardo Bonacorci

Músicas: Nas Curvas da Estrada de Santos – Um dos maiores sucessos de Roberto Carlos


Um dos maiores sucessos da carreira de Roberto Carlos completa, em 2019, 50 anos. A música em questão é “Nas Curvas da Estrada de Santos”, a principal faixa do décimo primeiro álbum do cantor capixaba. Criada, em 1969, por Roberto e Erasmo Carlos, a canção foi gravada naquele mesmo ano pelo Rei. Para completar a trajetória da agora cinquentona, ela integrou a trilha sonora do filme “Roberto Carlos e o Diamante Cor-de-Rosa” (1970), uma das maiores bilheterias do cinema nacional até hoje.

Em termos de relevância histórica e musical, “Nas Curvas da Estrada de Santos” só perde para “Detalhes” como a principal criação de Roberto Carlos. Eu, pessoalmente, sou muito mais fã de “Detalhes” do que “Nas Curvas da Estrada de Santos”. Porém, é inegável a força desta música. Atualmente, ela é pedida obrigatória nos shows e nos especiais de fim de ano do cantor. É impensável ouvir uma boa coletânea do Rei e não ter entre as faixas a melancólica e angustiante viagem em alta velocidade pela estrada que liga São Paulo à Baixada Santista.

O álbum de 1969 dá início a fase mais madura de Roberto Carlos. No final dos anos 1960, ele foi, pouco a pouco, deixando para trás muitas das características da Jovem Guarda. Isso se acelerou quando ele deixou o programa semanal na TV Record e se distanciou dos colegas que integravam esse movimento musical.

Neste disco, Roberto inova ao incorporar em seu repertório alguns elementos típicos do soul e do funk. Curiosamente, “Nas Curvas da Estrada de Santos” é uma das músicas mais Jovem Guarda do LP. Ao lado de “Do Outro Lado da Cidade” e “Não Adianta”, ela revive um pouco a fase precedente do músico.

Veja a letra desta canção:

Nas Curvas da Estrada de Santos (1969) – Roberto Carlos e Erasmo Carlos:

Se você pretende

Saber quem eu sou

Eu posso lhe dizer

Entre no meu carro

na Estrada de Santos

E você vai me conhecer

Você vai pensar

Que eu não gosto

Nem mesmo de mim

E que na minha idade

Só a velocidade

Anda junto a mim

Só ando sozinho

E no meu caminho

O tempo é cada vez menor

Preciso de ajuda,

Por favor me acuda

Eu vivo muito só

Se acaso numa curva

Eu me lembro

Do meu mundo

Eu piso mais fundo,

Corrijo num segundo

Não posso parar

Eu prefiro as curvas

da Estrada de Santos

Onde eu tento esquecer

Um amor que eu tive

E vi pelo espelho

Na distância se perder

Mas se amor que eu perdi

Eu novamente encontrar

As curvas se acabam

E na Estrada de Santos

Não vou mais passar

Não, não vou mais passar

Veja a interpretação original de Roberto Carlos:

Muita gente considera que o disco de 1969 representou simbolicamente o fim da Jovem Guarda (período musical também chamado de Iê-iê-iê). Afinal, com a decretação do AI-5 (Ato Institucional Número 5) pelo governo de Artur da Costa e Silva, em dezembro de 1968, ficava difícil para os músicos brasileiros continuarem cantando a futilidade juvenil da classe média (primeiros amores, viagens, festonas, carros e aventuras românticas) como tinha sido feito até então. A partir de 1969, temos o apogeu das músicas de protesto e o início do Tropicalismo. Além disso, com a chegada da década de 1970, Roberto Carlos, nessa altura um homem casado e com filhos, passou a compor e a gravar mais letras românticas. Assim, ele deixava de lado a fase musical do jovem cabeludo, rebelde e namorador e começava a incorporar o homem maduro, responsável e extremamente romântico.

De certa maneira, “Nas Curvas da Estrada de Santos” é uma das últimas músicas de Roberto Carlos com o DNA da Jovem Guarda. Nesta canção, o personagem principal é um jovem solitário e triste que encontra um pouco de adrenalina quando pisa fundo na Estrada de Santos. Os únicos prazeres que tem são dentro do veículo. Depois que foi deixado pela amada, o rapaz vê seu carro como a melhor companhia. E é nas altas velocidades do veículo que ele desafia as amarguras da vida, talvez desejando morrer para aplacar toda a dor que sente ou ansiando encontrar um novo amor que o tire daquela vida perigosa. Nos raros momentos de lucidez, ele grita por socorro.

Essa trinca temática (carro, velocidade e sofrimento amoroso) foi muito abordada por Roberto Carlos e pelos cantores da Jovem Guarda ao longo de toda a década de 1960. De cabeça, por exemplo, lembro-me de “Por isso Eu Corro Demais”, do álbum do próprio Roberto de 1967, e “Rua Augusta”, de 1963, o maior sucesso de Ronnie Cord (criação de Hervé Cordovil).

“Nas Curvas da Estrada de Santos” é uma das principais músicas brasileiras de todos os tempos. Em toda lista séria, ela aparece entre as 100 maiores composições nacionais. Esta dobradinha de Roberto Carlos e Erasmo Carlos é realmente cativante. Seu carisma resiste ao tempo e ainda consegue emocionar o público. E imaginar que esta canção é agora uma cinquentona. Incrível!

Que tal este post e o conteúdo do Blog Bonas Histórias? Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário aqui. Para acessar os demais posts sobre o universo musical, clique em Músicas. E aproveite para curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

#RobertoCarlos #ErasmoCarlos #JovemGuarda

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento