• Ricardo Bonacorci

Músicas: No Rancho Fundo - 90 anos da parceria de Ary Barroso e Lamartine Babo


O ano de 1930 foi extremamente farto para a música popular brasileira. Três obras-primas nacionais nasceram coincidentemente nesse período: “Com Que Roupa?”, a criação mais popular de Noel Rosa, “O Samba da Minha Terra”, um dos tantos clássicos de Dorival Caymmi, e “No Rancho Fundo”, o primeiro fruto da parceria genial entre Ary Barroso e Lamartine Babo. A ideia do post de hoje da coluna Músicas é tratar exclusivamente de “No Rancho Fundo”, que, ao lado de suas contemporâneas, comemora, em 2020, seu aniversário de nove décadas. Prometo voltar ao Bonas Histórias ainda neste ano para falar de “Com Que Roupa?” e de “O Samba da Minha Terra”.


A história da criação de “No Rancho Fundo” é, no mínimo, curiosa. No início dos anos 1930, Ary Barroso, um mineiro de 26 anos que morava no Rio de Janeiro há quase uma década e que tinha se formado recentemente em Direito, queria trabalhar com a música. Assim, nos últimos dois anos, ele vendia suas composições principalmente para os espetáculos de revista da então Capital Federal. Já conhecido nesse meio, o jovem compositor conseguiu, em 1930, um contrato fixo com o Teatro Recreio. Nesse mesmo ano, Barroso também emplacou seu primeiro sucesso nas rádios, “Vamos Deixar de Intimidades”, música gravada por Mário Reis em 1929.


Responsável por compor a melodia de “É do Balacobaco”, espetáculo comandado por José Carlos de Brito Cunha, o J. Carlos, Ary Barroso apresentou uma belíssima trilha sonora para o show no Teatro Recreio. Para completar a música, o próprio J. Carlos criou uma letra que intitulou de “Esse Mulato Ainda Vai Ser Meu – Na Grota Funda”. Dessa forma, estreava, em junho de 1930, o espetáculo “É do Balacobaco” no Rio de Janeiro. Sua principal trilha sonora era “Esse Mulato Ainda Vai Ser Meu – Na Grota Funda” da dupla Ary Barroso e J. Carlos.

Presente nas primeiras sessões do show, o jovem compositor carioca Lamartine Babo, apenas dois meses mais novo do que Ary Barroso, ficou encantado com a música que ouvira no teatro. Porém, ficou também bastante decepcionado com a letra, que julgou grosseira. Assim, ao sair do espetáculo, Lamartine voltou para a casa e passou a noite escrevendo o que julgava ser uma letra compatível à beleza incomum da melodia de Barroso. Com uma pegada melancólica, os versos do carioca narravam a solidão e a tristeza de um velho camponês que morava afastado da civilização, no alto de uma montanha.


No dia seguinte, aproveitando-se que tinha uma apresentação no programa da Rádio Educadora, Lamartine Babo cantou a nova versão da canção que criara algumas horas antes. Como companhia, ele teve o Bando de Tangarás, conjunto musical que tinha nada mais nada menos do que Noel Rosa e Braguinha em sua formação. Dá para acreditar nessa união! Vale a pena ressaltar que Lamartine não pediu autorização para Ary Barroso nem para J. Carlos para executar a canção ou mesmo para alterar sua letra.


Imediatamente, a nova música foi aprovada com louvor por todos na rádio. Assim, nascia “No Rancho Fundo”, o novo nome da composição, em substituição aos versos de “Esse Mulato Ainda Vai Ser Meu – Na Grota Funda”. Ao saber do ocorrido, J. Carlos ficou enfurecido. Magoado, ele chegou ao ponto de cortar relações para sempre com Ary Barroso, como se o mineiro tivesse culpa. Se Barroso perdia um parceiro, ganhava outro. No “Rancho Fundo” representou o início de uma frutífera parceria entre Lamartine e Ary. A dupla fez várias músicas, entre elas “Palmeira Triste”, “Na Virada da Montanha” e “Grau Dez”. Nenhuma, contudo, fez tanto sucesso quanto a criação de estreia deles.


“No Rancho Fundo” foi gravado, pela primeira vez, em 1931, por Elisinha Coelho. A cantora gaúcha, que se tornou a principal intérprete das criações de Ary Barroso, atingiu o ápice da carreira justamente cantando essa música. Entretanto, Elisinha não foi a única artista a se enveredar pelo “No Rancho Fundo”. Ao longo dos últimos noventa anos, dezenas e dezenas de músicos de todos os calibres regravaram essa canção. Sílvio Caldas, Isaurinha Garcia, Nelson Gonçalves, Emílio Santiago, Ná Ozetti, César Camargo Mariano, Gal Costa, Renato Teixeira e Ney Matogrosso são os principais intérpretes. Mais recentemente, ela foi regravada por Paula Fernandes, César Menotti & Fabiano, Fábio Jr. e pelos portugueses António Zambujo e Miguel Araújo.

A versão mais popular de “No Rancho Fundo” é a gravação de Chitãozinho & Chororó de 1989. Impossível que você não a conheça! Com a popularidade recente da canção de Ary Barroso e Lamartine Babo nas vozes de Chitãozinho & Chororó, nos últimos trinta anos, “No Rancho Fundo” adquiriu o status de clássico sertanejo (algo inimaginável pelos seus compositores).


Veja, a seguir, a letra dessa obra-prima da música brasileira:


No Rancho Fundo (1930) - Ary Barroso e Lamartine Babo


No rancho fundo

Bem pra lá do fim do mundo

Onde a dor e a saudade

Contam coisas da cidade


No rancho fundo

De olhar triste e profundo

Um moreno canta as mágoas

Tendo os olhos rasos d'água


Pobre moreno

Que de noite no sereno

Espera a lua no terreiro

Tendo um cigarro

Por companheiro


Sem um aceno

Ele pega na viola

E a lua por esmola

Vem pro quintal

Desse moreno


No rancho fundo

Bem pra lá do fim do mundo

Nunca mais houve alegria

Nem de noite, nem de dia


Os arvoredos

Já não contam

Mais segredos

E a última palmeira

Já morreu na cordilheira


Os passarinhos

Hibernaram-se nos ninhos

De tão triste esta tristeza

Enche de trevas a natureza


Tudo por que

Só por causa do moreno

Que era grande,

hoje é pequeno

Pra uma casa de sapê


Se Deus soubesse

Da tristeza lá na serra

Mandaria lá pra cima

Todo o amor que há na terra


Porque o moreno

Vive louco de saudade

Só por causa do veneno

Das mulheres da cidade


Ele que era

O cantor da Primavera

E que fez do rancho fundo

O céu melhor

Que tem no mundo


Se uma flor desabrocha

E o sol queima

A montanha vai gelando

Lembra o cheiro

Da morena


Assista, no vídeo abaixo, a uma interpretação de “No Rancho Fundo” por Chitãozinho & Chororó:

Nem parece que essa criação de Ary Barroso e Lamartine Babo possui nove décadas de vida. Incrível! Além disso, alguém aí notou que sua letra fala de um homem que se isolou da civilização e da cidade grande? Nada mais pós-coronavírus do que isso, hein?


Que tal este post e o conteúdo do Blog Bonas Histórias? Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário aqui. Para acessar os demais posts sobre o universo musical, clique em Músicas. E aproveite para curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento