Teoria Literária - MAER - Etapa 1 - Identificação do Tipo de Estudo

Falemos mais um pouco, no Bonas Histórias, do Modelo de Análise Estilística de Romances (MAER). Essa matriz de pesquisa, que permite ao analista literário estudar os estilos dos romancistas, é o tema central da terceira temporada da coluna Teoria Literária.  

 

Uma vez compreendidos os Onze Elementos Constituintes do MAER, conforme apresentado no post do mês passado, vamos ao passo seguinte: a aplicação prática do Modelo de Análise Estilística de Romances. O uso dessa matriz por parte do analista literário requer cinco etapas: (1) a Identificação do Tipo de Estudo, (2) as Definições Estatísticas da Pesquisa, (3) a Análise Horizontal, (4) a Análise Vertical e (5) as Conclusões do Estudo. O detalhamento sucinto dessas fases está descriminado no post de junho, chamado de Matriz Completa. Hoje, a ideia é aprofundar nosso debate em direção à primeira etapa do método, a Identificação do Tipo de Estudo.

 

A primeira fase da aplicação do MAER requer, como seu próprio nome informa, a identificação do tipo de estudo que o analista literário deseja realizar. O Modelo de Análise Estilística de Romances é, obviamente, recomendado apenas para a investigação do estilo dos romancistas. Apesar de existir a possibilidade do uso dessa matriz analítica em outras situações de pesquisa acadêmica, sua finalidade é o estudo exclusivo do estilo literário dos autores romanescos.

A partir desse ponto, o analista deve considerar se seu estudo terá como princípio norteador a teoria literária, a crítica literária ou a historiografia literária. O MAER é aplicável objetivamente aos trabalhos embasados pela teoria literária. Seu uso pela crítica literária é opcional e pela historiografia é aparentemente inviável.

 

Na sequência, o acadêmico deve verificar os tipos de análise que seu trabalho requer. O MAER é voltado exclusivamente para análises macroestruturais que tenham como foco investigativo aspectos relacionados ao estudo da sintaxe narrativa. Ou seja, se a pesquisa acadêmica tiver como proposta análises microestruturais e/ou estiver voltada para os estudos temáticos ou retóricos, o Modelo de Análise Estilística de Romances não é recomendável.

 

Portanto, o MAER é aplicável única e exclusivamente ao caso de trabalhos acadêmicos:

 

- voltados para o estudo estilístico do autor;

 

- focados no estudo de romances e de romancistas;

 

- embasados pela teoria literária;

 

- dirigidos às analises macroestruturais;

 

- e direcionados ao estudo da sintaxe narrativa.

Se as cinco condições acima descritas forem integralmente cumpridas, a escolha do Modelo de Análise Estilística de Romances como matriz do trabalho acadêmico se mostra aplicável. Dessa maneira, o analista literário pode passar para a próxima etapa da aplicação do método, que é as Definições Estatísticas da Pesquisa. Porém, esse será o assunto de setembro da coluna Teoria Literária. Não perca o próximo capítulo do estudo sobre o MAER. Até lá!

 

Que tal este post? Gostou do Blog Bonas Histórias? Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário aqui. Para saber mais sobre esse tema, clique em Teoria Literária. E não se esqueça de curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

Please reload

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes
Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento