• Ricardo Bonacorci

Livros: Ainda - Canto à terra natal de Pablo Neruda


Curiosamente, começarei a leitura das poesias de Pablo Neruda por uma de suas últimas obras. "Ainda" (José Olympio) foi publicado um pouco antes da morte do poeta ocorrida em 1973. O livro é enxuto (77 páginas) e possui apenas vinte e oito poemas. É possível lê-lo em um quarto de hora. Escrito quando o escritor chileno estava idoso e exilado na Europa, essa publicação narra as impressões saudosistas de Neruda sobre sua terra natal.

Surge, então, o Chile que o escritor conheceu em sua infância e adolescência. Acompanhando o pai que era maquinista de trem, o jovem Neruda pode conhecer de perto, nas primeiras décadas do século XX, as várias regiões de seu país: Temuco, Yumbel, Angol, Boroa, o vulcão Osorno e a baleeira de Quintay. Há também muitas citações à Araucânia, onde ele nasceu e cresceu.

Para se apreciar a leitura de "Ainda", é preciso lê-lo de maneira contínua (em uma batida só). Os poemas não são independentes, mas sim interligados entre si. Esse é o primeiro aspecto que chama a atenção do leitor. A obra é uma pequena epopeia, pois os vinte e oito poemas contam uma única história.

E que história é essa? No início ficamos em dúvida: se a narrativa é sobre a vida do autor e sua família ou se ela é sobre o país em que ele nasceu? A resposta surge no poema VI:

"Perdão se quando quero

contar minha vida

é a terra o que conto.

Esta é a terra.

Cresce em teu sangue

e cresces.

Se se apaga em teu sangue

te apagas".

Aí está o grande brilho desse livro. Assim como Ítalo Calvino descreveu as diferentes personalidades humanas narrando os vários tipos de cidade do mundo, em "Cidades Invisíveis" (Companhia das Letras), Pablo Neruda só consegue se caracterizar como homem e abordar sua vida e trajetória quando narra os detalhes da terra de onde veio e de onde cresceu. Assim, o deserto chileno é uma metáfora para o sentimento solitário do poeta. As geleiras nos cumes montanhosos do país, por sua vez, são semelhantes aos cabelos brancos dos homens idosos. Os vulcões são a força interna e a paixão que há dentro de cada chileno.

Há também algumas passagens memoráveis. Além do poema VI que possui, por si só, uma beleza filosófica, há outras tantas nessa publicação. No início, o poeta relaciona sua história pessoal (capítulos) às características de sua cidade natal (Araucânia):

"Araucânia, rosa molhada, diviso

dentro de mim mesmo ou nas províncias da água

tuas raízes, as copas dos desenterrados,

com os larícios rotos, as araucárias mortas,

e teu nome refulge em meus capítulos

como os peixes pecados no cesto amarelo!".

Veja essa passagem sobre o vulcão de Osorno:

"Harpa de Osorno sob os vulcões!

Soam as cordas escuras

arrancadas ao bosque.

Olha-te no espelho de madeira!

Consome-te

na mais poderosa

fragrância de outono

quando os ramos deixam

cair folha por folha

um planeta amarelo

e sobe sangue para que os vulcões

preparem fogo cada dia".

O encerramento é magnífico:

"Aconteceu meu poema

para ti, para ninguém,

para todos".

Durante toda obra, Pablo Neruda utiliza-se de alguns neologismos criados especificamente para expressar os seus sentimentos. Isso fica evidente, por exemplo, no poema XXVII com o termo "cinturista" (um tipo de parasita). Além disso, há muitas referências à cultura, à história e à geografia chilena. Para compreender o texto em sua totalidade é necessário algum conhecimento prévio desses aspectos. Cholga (espécie de mexilhão típico da costa do Chile), Francisco Pizzaro (explorador espanhol que subjugou os povos indígenas da América do Sul), Alonso de Ercilla (soldado e poeta do célebre poema "La Araucana"), Yumbel (cidade chilena) e Osorno (vulcão ativo) são alguns exemplos.

Apesar desse toque específico da cultura chilena dificultar um pouco a leitura de "Ainda" por quem não vive ou viveu no Chile, essa característica confere uma graça ainda maior ao texto. Como Neruda pode falar de sua terra se ele não utilizar referências locais? Impossível! Assim, esse tempero local é parte do esforço do autor para se apresentar ao leitor da maneira mais fidedigna possível.

O livro é muito bonito. Simples, porém muito impactante. A sensação que temos ao terminar "Ainda" é que Pablo Neruda conseguiu sintetizar sua vida e sua personalidade através da narração das paisagens que conheceu durante sua infância e adolescência. A conclusão que chegamos é que o homem adulto é formado essencialmente pelas experiências vividas na juventude e por sua interação com a terra natal. Essa relação entre natureza e personalidade fica mais forte quando lembramos que o Nobel de Literatura de 1971 precisou se exilar do Chile quando estourou o Golpe Militar em seu país. As saudades de casa e o saudosismo natural da velhice ajudam a compor as páginas desse belo livro.

No próximo dia 11, retorno ao Blog Bonas Histórias para comentar o segundo livro de Pablo Neruda deste Desafio Literário, "Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada". Não perca!

Gostou da seleção de autores e de obras do Desafio Literário? Que tal o Blog Bonas Histórias? Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário aqui. Para saber mais sobre as Análises Literárias do blog, clique em Desafio Literário. E não deixe de curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

#PabloNeruda #Poesia #LiteraturaChilena

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento