• Ricardo Bonacorci

Músicas: Cinquentenário do II Festival de Música Popular Brasileira da TV Record


Você é "A Banda" ou é "Disparada"?. Esta era uma pergunta corriqueira nas ruas do país há exatos cinquenta anos. Naquela época, a população brasileira estava polarizada não pela política, como nos dias de hoje, e sim pela música. As canções compostas por Chico Buarque e por Geraldo Vandré/Theo de Barros dividiam corações. A mobilização foi tamanha que as duas canções ganharam torcidas apaixonadas. Isso era reflexo da popularidade do Festival da Música Popular Brasileira da TV Record. Em sua segunda edição, realizada entre setembro e outubro de 1966, os principais compositores e interpretes do país apresentavam suas novidades em busca do Prêmio Viola de Ouro, entregue para a melhor música.

Naquele festival, realizado no Teatro Record, na cidade de São Paulo, foram ao palco Elza Soares cantando "De amor ou paz" (de Luís Carlos Paraná e Adauto Santos), Jair Rodrigues com "Canção para Maria" (Paulinho da Viola e Capinam), o grupo MPB-4 interpretando "Canção de Não Cantar" (de Sérgio Bittencourt), Elis Regina com "Ensaio Geral" de Gilberto Gil) entre outros. Contudo, quem chamou mais a atenção dos jurados e do público foi Nara Leão cantando "A Banda" (de Chico Buarque) e Jair Rodrigues com "Disparada" (Geraldo Vandré e Theo de Barros).

"Disparada" foi a canção de protesto mais enfática feita no país até então. Era o início da Ditadura Militar e começavam a pipocar músicas contra o golpe de 1964. Na voz grossa e potente de Jair Rodrigues, que vivia seu auge como interprete, a canção ganhava mais força. A letra de Geraldo Vandré (a melodia é de Theo de Barros) fazia uma comparação entre a vida das pessoas e a vida do gado. Assim, como a boiada era confinada e conduzida coercitivamente, o personagem da música, um vaqueiro, era oprimido pelos patrões. Os fazendeiros não eram apenas donos dos animais e das terras, mas também das pessoas. O vaqueiro queria sua liberdade. "Na boiada já fui boi, boiadeiro já fui rei/ Não por mim nem por ninguém, que junto comigo houvesse/ Que quisesse ou que pudesse, por qualquer coisa de seu/Por qualquer coisa de seu, querer ir mais longe do que eu" diz o desfecho da canção, livrando o personagem do aprisionamento ideológico imposto pelos patrões. Veja a seguir a interpretação de Jair Rodrigues no Festival de 1966 e a letra completa da música:

"Disparada" (Geraldo Vandré/Theo de Barros):

Prepare o seu coração

Pras coisas

Que eu vou contar

Eu venho lá do sertão

Eu venho lá do sertão

Eu venho lá do sertão

E posso não lhe agradar

Aprendi a dizer não

Ver a morte sem chorar

E a morte, o destino, tudo

A morte e o destino, tudo

Estava fora do lugar

Eu vivo pra consertar

Na boiada já fui boi

Mas um dia me montei

Não por um motivo meu

Ou de quem comigo houvesse

Que qualquer querer tivesse

Porém por necessidade

Do dono de uma boiada

Cujo vaqueiro morreu

Boiadeiro muito tempo

Laço firme e braço forte

Muito gado, muita gente

Pela vida segurei

Seguia como num sonho

E boiadeiro era um rei

Mas o mundo foi rodando

Nas patas do meu cavalo

E nos sonhos

Que fui sonhando

As visões se clareando

As visões se clareando

Até que um dia acordei

Então não pude seguir

Valente em lugar tenente

E dono de gado e gente

Porque gado a gente marca

Tange, ferra, engorda e mata

Mas com gente é diferente

Se você não concordar

Não posso me desculpar

Não canto pra enganar

Vou pegar minha viola

Vou deixar você de lado

Vou cantar noutro lugar

Na boiada já fui boi

Boiadeiro já fui rei

Não por mim nem por ninguém

Que junto comigo houvesse

Que quisesse ou que pudesse

Por qualquer coisa de seu

Por qualquer coisa de seu

Querer ir mais longe

Do que eu

Mas o mundo foi rodando

Nas patas do meu cavalo

E já que um dia montei

Agora sou cavaleiro

Laço firme e braço forte

Num reino que não tem rei

Na boiada já fui boi

Boiadeiro já fui rei

Não por mim nem por ninguém

Que junto comigo houvesse

Que quisesse ou que pudesse

Por qualquer coisa de seu

Por qualquer coisa de seu

Querer ir mais longe

Do que eu

Mas o mundo foi rodando

Nas patas do meu cavalo

E já que um dia montei

Agora sou cavaleiro

Laço firme e braço forte

Num reino que não tem rei

"A Banda", por sua vez, era o oposto, uma canção de contraprotesto. Composta pelo até então desconhecido Chico Buarque (na época um estudante universitário de classe média que tentava seus primeiros passos na carreira musical), a letra propunha uma busca pela simplicidade da vida cotidiana em oposição a obsessão panfletária que tomava conta do país. A passagem de uma banda de música pela cidade muda o cotidiano das pessoas por alguns instantes. Esta fração do tempo é suficiente capaz de alimentar o coração e os sonhos dos habitantes, que se esquecem dos seus problemas, das suas frustrações e da violência dos militares. Assim, "A Banda" é uma manifesto lírico de um Brasil poético e humano. Cantando pela voz doce da carismática Nara Leão, a canção rapidamente chega ao sucesso. O disco com a música vendeu em uma semana mais de 100 mil exemplares em setembro de 1966. Veja a seguir a interpretação de Chico Buarque e Nara Leão na final do Festival e a letra da música na íntegra.

"A Banda" (Chico Buarque):

Estava à toa na vida

O meu amor me chamou

Pra ver a banda passar

Cantando coisas de amor

A minha gente sofrida

Despediu-se da dor

Pra ver a banda passar

Cantando coisas de amor

O homem sério que contava dinheiro parou

O faroleiro que contava vantagem parou

A namorada que contava as estrelas

Parou para ver, ouvir e dar passagem

A moça triste que vivia calada sorriu

A rosa triste que vivia fechada se abriu

E a meninada toda se assanhou

Pra ver a banda passar

Cantando coisas de amor

Estava à toa na vida

O meu amor me chamou

Pra ver a banda passar

Cantando coisas de amor

A minha gente sofrida

Despediu-se da dor

Pra ver a banda passar

Cantando coisas de amor

O velho fraco se esqueceu do cansaço e pensou

Que ainda era moço pra sair no terraço e dançou

A moça feia debruçou na janela

Pensando que a banda tocava pra ela

A marcha alegre se espalhou na avenida e insistiu

A lua cheia que vivia escondida surgiu

Minha cidade toda se enfeitou

Pra ver a banda passar cantando coisas de amor

Mas para meu desencanto

O que era doce acabou

Tudo tomou seu lugar

Depois que a banda passou

E cada qual no seu canto

Em cada canto uma dor

Depois da banda passar

Cantando coisas de amor

Depois da banda passar

Cantando coisas de amor

O público ficou completamente dividido no auditório ao ouvir estas duas canções que se tornaram, mais tarde, clássicas de nossa cultura popular. Metade dos presentes queria que "A Banda" vencesse. A outra parte queria que a vitoriosa fosse "Disparada". A expectativa pela decisão só aumentou quando os jurados declaram que precisavam de mais tempo para julgar. Desta forma, a decisão final foi postergada em algumas semanas.

Em outubro de 1966, o auditório da Record em São Paulo esteve novamente lotado. O primeiro colocado seria, enfim, anunciado. Na frente da televisão, milhões de pessoas acompanhavam a cerimônia. Os jornais divulgavam em suas manchetes o evento. O clima era parecido ao de uma final de campeonato de futebol, com as duas torcidas fazendo barulho e vibrando pela sua canção favorita. A rivalidade era tanta que uma torcida chegava a vaiar efusivamente a outra quando esta era cantada. Isso fica evidente no vídeo em que Chico Buarque e Nara Leão cantam "A Banda". Para evitar uma vaia maior de sua torcida aos adversários, Jair Rodrigues educadamente fica ao lado de Chico e Nara batendo palmas e cantarolando a música rival.

Ao final das apresentações, saiu o resultado. O primeiro lugar ficou com "A Banda" e com "Disparada". O empate foi a única solução encontrada para elucidar a dúvida de qual era melhor. Pela primeira (e única vez), o Festival terminou empatado com dois vencedores. Nada mais justo.

Este era o Brasil de cinquenta anos atrás.

Que tal este post e o conteúdo do Blog Bonas Histórias? Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário aqui. Para acessar os demais posts sobre o universo musical, clique em Músicas. E aproveite para curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

#ChicoBuarque #GeraldoVandré #TheodeBarros #NaraLeão #JairRodrigues

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento