• Ricardo Bonacorci

Crônicas: Doze Indícios que Envelheci Antes da Hora - Apresentação da nova série


Há algo pior do que envelhecer em um mundo dependente de tecnologia, viciado em modernidade e ávido pela juventude eterna?! Gritando e com as mãos nos ouvidos, como naquele velho programa do Sílvio Santos, respondo com um sonoro "siiiiiiiiiiiiiiiiiiim".

Ficar velho é ruim, admito, mas se tornar antiquado é terrível! Não há nada mais fora de moda do que ficar fora de moda. Aí o caldo engrossa de vez. Acho que esta é uma expressão que não se usa mais... Desculpe-me. Aí o bicho pega pra valer. Melhorou? Não?! Qual é a gíria deste século que se aplica quando a coisa fica feia? Deixe para lá... Apesar do uso de vocábulos antigos, você entendeu o que eu quis dizer, né?

Envelhecer é algo que acontece com todo mundo ao mesmo tempo e na mesma proporção. O desencadeamento deste processo independe da classe social, do sexo, da cor da pele e do país de origem do sujeito. Não há nada em nossa vida mais natural, democrático e justo do que ficar velho. Há até um ditado popular que diz que "feliz de quem envelhece, porque a outra opção é bem pior". Concordo em gênero, número e grau com essa frase. O que foi que você perguntou? Vocábulo?! Você não sabe o que significa o termo vocábulo? Deixe para lá! Não é sobre isso o que estou tratando aqui. Depois você pesquisa com calma em um dicionário. Ou no Google, se preferir. Voltemos ao que interessa e ao assunto principal desta crônica.

Ficar fora de moda, por outro lado, é uma coisa pessoal e tida como um defeito da personalidade do sujeito. Você já reparou nisso?! A sociedade encara como uma afronta a si. Trata-se de uma falha individual do caráter da pessoa e não um erro coletivo ou uma tendência natural das coisas. "Se liga, você está ultrapassado!", "Hoje em dia ninguém mais faz assim" ou "Em que mundo você vive?" são algumas expressões que tenho ouvido cada vez mais, como se meus comportamentos ofendessem aqueles que estão ao meu redor. Afinal, tenho mesmo culpa por gostar de alguns hábitos (e palavras) antigos?! Será que tenho que me curvar a todo tipo de modismo e de novidade do presente?! Tenho culpa que ninguém mais sabe o que significa um vocábulo nem sabe como usar um bom e velho dicionário?

Abordo esse tema porque estou realmente preocupado com essa questão. Acho que me tornei uma pessoa totalmente fora de moda. Isso aos trinta e poucos anos... O que me reserva o futuro, hein? As minhas gafes em relação ao meu jeito antiquado de ser têm se tornado cada vez mais frequentes. É desesperador! O que foi que você disse? Não se usa mais a palavra gafe? Desculpe-me outra vez. Eu tenho cometido algumas mancadas ultimamente. Tá bom, assim? Já entendi! Mancada é uma palavra da década de 1990, enquanto gafe é dos anos de 1980. E vocábulo?! Juro que não sei... Deve ser da década de 1950 ou 1960... Percebem agora o que estou querendo dizer? Não consigo nem ao menos me expressar-me como se estivesse no século XXI.

Talvez, esta desatualização vocabular seja o aspecto menos preocupante de minha personalidade retrógrada. Há pontos muito mais desagradáveis que parecem incomodar a todos a meu redor. Para você compreender exatamente o meu sofrimento (e das pessoas a minha volta), vou listar os 12 aspectos que estão me fazendo um sujeito totalmente desconectado do tempo presente. Para explicar detalhadamente cada um deles, estou criando a série Doze Indícios que Envelheci Antes da Hora. Em 2017, uma vez por mês aqui no Blog Bonas Histórias, apresentarei um dos meus problemas graves de envelhecimento precoce.

Veja, a seguir, o calendário de posts:

Janeiro/2017 - Item 1: Usar telefone fixo.

Fevereiro/2017 - Item 2: Não ter celular.

Março/2017 - Item 3: Ouvir música no rádio e em CD.

Abril/2017 - Item 4: Ler jornais e revistas impressos.

Maio/2017 - Item 5: Usar Caderno.

Junho/2017 - Item 6: Gostar (Apenas) de Livro Impresso.

Julho/2017 - Item 7: Torcer por um Time de Futebol Nacional.

Agosto/2017 - Item 8: Não Assistir às Séries de TV.

Setembro/2017 - Item 9: Não Ter Facebook.

Outubro/2017 - Item 10: Usar Palavras e Expressões antigas.

Novembro/2017 - Item 11: Não Usar Carro.

Dezembro/2017 - Item 12: Não Trabalhar 24 Horas por Dia

Confira as crônicas da série "Doze Indícios que Envelheci Antes da Hora" ao longo do próximo ano e saiba se há motivo ou não para tanta preocupação da minha parte. Aguardo todos vocês lá.

Gostou deste post e do conteúdo do Bonas Histórias? Compartilhe sua opinião conosco. Para acessar outras narrativas do blog, clique em Contos & Crônicas. E não se esqueça de curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

#SérieNarrativa

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento