• Ricardo Bonacorci

Desafio Literário de abril/2020: Jack Kerouac


Começou! O Desafio Literário está de volta. Mesmo com o pânico mundial de 2020, teremos a sexta temporada da coluna do Bonas Histórias dedicada à análise dos estilos e das obras dos principais autores nacionais e internacionais de ontem e hoje. De abril a novembro, analisaremos um escritor por mês - totalizando oito nomes referenciais da literatura de quase todos os continentes (América do Sul, América Central, América do Norte, Europa, África e Ásia).


Neste primeiro mês do Desafio Literário, o artista que será estudado é Jack Kerouac. O norte-americano foi um dos maiores expoentes da Geração Beat, movimento essencialmente literário de contracultura que vigorou nos Estados Unidos entre o final da década de 1950 e o início dos anos 1960. Os escritores beats enalteciam os valores que mais tarde resultariam nos movimentos hippie e punk. Seus ideais giravam em torno da liberdade existencialista (o que incluía o uso de drogas e o sexo sem compromisso), do desapego material, da vida nômade, da formação de comunidades alternativas, do flerte com o anarquismo e da valorização da espiritualidade. A Geração Beat teve, além de Kerouac, William S. Burroughs, Allen Ginsberg, Gregory Corso, Lawrence Ferllinghetti e Gary Snyder como suas figuras centrais.


Nascido em 1922, em Massachusetts, Jack Kerouac veio de uma família de origem franco-canadense. Sua estreia na literatura aconteceu, em 1950, com a publicação de “Cidade Pequena, Cidade Grande” (L&PM Editores). Infelizmente, o romance confuso e entediante foi um enorme fracasso de público e de crítica. Frustrado com a receptividade negativa de seu primeiro trabalho ficcional, Kerouac parou de escrever por um tempinho. Aí, lançou-se em viagens de mochilão pelos Estados Unidos. Uma dessas jornadas existencialistas pela América serviu de enredo para a obra que representaria a virada em sua carreira. “On The Road - Pé na Estrada” (L&PM Editores) foi publicado, depois de incontáveis recusas das editoras, em 1957. O livro apresentava uma estética livre e espontânea sobre os relatos da viagem do autor. O texto foi escrito no calor da emoção dos acontecimentos vivenciados. Nasciam, assim, um mito da literatura norte-americana e um clássico da literatura universal.

Imediatamente após o sucesso de “On The Road”, Jack Kerouac resolveu se isolar. Vivendo totalmente afastado da sociedade, o escritor mergulhou no uso de drogas e no consumo desenfreado de álcool. Durante esse período, ele produziu “Os Vagabundos Iluminados” (L&PM Pocket), romance de 1958 que contém elementos autobiográficos de sua procura por uma vida mais livre, “Os Subterrâneos” (L&PM Pocket), outro romance lançado em 1958 e que foi produzido em apenas três dias e três noites, e “Big Sur” (L&PM Pocket), romance de 1962 em que narra as alucinações e as paranoias provocadas pelo consumo frequente de bebidas e drogas.


Já com a saúde fragilizada, Jack Kerouac foi morar com a mãe na metade da década de 1960. Esses foram os últimos anos de sua vida. Em 1969, ele faleceu precocemente, aos 47 anos, vítima de uma cirrose crônica. Postumamente, foram publicados “Pic” (L&PM Editores), uma novela de cunho social lançada em 1971, e “Visões de Cody” (L&PM Editores), estudo metafísico sobre a personalidade do protagonista de “On The Road”. Esta última obra foi lançada em 1972 e se baseou nos manuscritos deixados pelo autor.


Ficou interessado(a) em acompanhar os detalhes da literatura de Jack Kerouac? Então, anote aí o calendário de posts deste mês do Desafio Literário:


- 6 de abril de 2020 - Análise de “Cidade Pequena, Cidade Grande” (1950).


- 10 de abril de 2020 - Análise de “On The Road” (1957).


- 14 de abril de 2020 - Análise de “Os Subterrâneos” (1958).


- 18 de abril de 2020 - Análise de “Os Vagabundos Iluminados” (1958).


- 22 de abril de 2020 - Análise de “Big Sur” (1962).


- 26 de abril de 2020 - Análise de “Pic” (1971).


- 30 de abril de 2020 - Análise da literatura de Jack Kerouac.

Preparado(a)?! Então vamos começar logo esse Desafio Literário de abril! Hoje iniciarei a leitura de “Cidade Pequena, Cidade Grande” (L&PM Editores), o romance de estreia de Kerouac. Na próxima segunda-feira, dia 6, publicarei o post sobre esta obra no Bonas Histórias. Boas leituras e um ótimo Desafio Literário para todos!


Gostou da seleção de autores e de obras do Desafio Literário? Que tal o Blog Bonas Histórias? Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário aqui. Para saber mais sobre as Análises Literárias do blog, clique em Desafio Literário. E não deixe de curtir a página do Bonas Histórias no Facebook.

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento