• Ricardo Bonacorci

Passeios: Rua do Bom Jesus - A terceira rua mais bonita do mundo


Como diria Jorge Ben Jor, chama o síndico (abraço W/Brasil!) porque deu no New York Times. E se não deu, bem que poderia ter dado. Uma das ruas mais belas do planeta, segundo a revista norte-americana Architectural Digest, fica no Brasil - Brasilsilsil! Das 31 localidades selecionadas no final do ano passado pela tradicional publicação de design de interiores e paisagismo, uma fica em nosso país, mais especificamente em Recife, Pernambuco. E o que é que deu? Nordeste na cabeça! E o que é que deu? Nordeste na cabeça!


Eleita a terceira rua mais bonita do mundo, a Rua do Bom Jesus está localizada no centro histórico da capital pernambucana, região chamada de Recife Antigo. A via é atualmente um dos principais pontos turísticos do município e guarda uma história riquíssima, que remonta à ocupação holandesa no Nordeste brasileiro. Mais recentemente, o bairro se tornou sede de importantes iniciativas tecnológicas. Apaixonado por este local há quase dez anos, não podia deixar de produzir um post na coluna Passeios sobre a última seleção da Architectural Digest. Alô, alô, Recife. Tira essa escada daí que hoje o Bonas Histórias vai falar de você.


Estive pela primeira vez na Rua do Bom Jesus entre agosto e setembro de 2011, quando fui para o Recife fazer trabalhos para o Coletivo da Coca-Cola. Os funcionários da antiga Refrescos Guararapes (hoje Coca-Cola Solar) sempre me levavam ao Recife Antigo para almoçar ou para curtir um barzinho com música ao vivo no início da noite. Bons tempos aqueles. Incluindo paixão antiga e aquele beijo quente que eu ganhei da sua amiga.


Um ano depois, voltei para lá para participar de reuniões no Porto Digital, o parque tecnológico a dois quarteirões da Rua do Bom Jesus. Era época da divulgação do “Explosão da Inovação” (Setec Editora), livro em que fui coautor. Por isso, passava o tempo inteiro no bairro. Foi nesse segundo contato com a hoje mundialmente conhecida via que me tornei apaixonado por ela. Sim, eu me apaixono (também) por ruas... Isso começou quando morei em Buenos Aires e fiquei encantado com o charme da Avenida de Mayo. Porém, isso é outra história que ficará para outro post. Voltemos ao principal: a beleza e a atmosfera contagiantes da Rua do Bom Jesus. Alô, alô, Recife. Se estiver ventando muito, não venha de helicóptero.

A partir daí, em todas as minhas visitas à capital pernambucana a trabalho ou a lazer, sempre dei uma (ou seriam várias?) passadinha (ou passadonas!) na Rua do Bom Jesus. O Recife Antigo é um sucesso. Tem de tudo e é um mistério. O Recife Antigo é um sucesso. Tem de tudo e é um mistério.


O mais interessante é que o charme da Rua do Bom Jesus vai muito além de sua beleza arquitetônica: os casarões ao estilo colonial estão bem-preservados; as tintas coloridas das fachadas dão uma alegria extra às construções; a calçada estreita, a rua ainda de paralelepípedo, a iluminação meio amarelada e o trilho do bonde aparente levam-nos para o passado (seis ou sete décadas atrás); as palmeiras altas mostram que a natureza está por perto; e a contínua brisa marítima confere um clima aconchegante ao lugar (o Recife Antigo é uma pequena ilha cercada pelas águas do Rio Capibaribe, do Rio Beberibe e do Oceano Atlântico). É lá! Que o frevo rola de primeira. É lá! Que o frevo rola de primeira.


Se isso não bastasse, a Rua do Bom Jesus e suas cercanias abrigam vários museus, teatros, centros culturais, oficinas de artesanato, restaurantes, pubs, padarias, barzinhos e baladinhas de ótima qualidade. Por exemplo, a Praça Rio Branco (Marco Zero da cidade), local tradicional de eventos artísticos em Recife, fica ao ladinho do início da rua. A primeira sinagoga do continente americano está na Rua do Bom Jesus, assim como a folclórica Embaixada dos Bonecos Gigantes de Pernambuco (quem já participou do Carnaval de Olinda sabe do que estou me referindo). Há também várias startups sediadas naquela região da cidade, o que confere um bom movimento também durante o dia e ao longo da semana. Porém, é aos finais de semana que o movimento explode. Alô, telefonista. Me desperte às sete e quinze por favor. Rádio táxi nove e meia. Senão o bicho pega.


O bairro do Recife Antigo é uma parte imperdível do Nordeste brasileiro para aqueles que gostam de cultura, lazer, entretenimento, gastronomia e inovação. Para quem não está acostumado com a efervescência cultural da capital pernambucana, ela chega a impressionar positivamente os mais desavisados. Não é errado afirmar que Recife é uma das cidades mais ricas culturalmente do Brasil, não ficando aquém de São Paulo e Rio de Janeiro em muitos quesitos. E boa parte dessa extensão e dessa variedade artístico-cultural gira em torno da Rua do Bom Jesus e de suas travessas. Cidade Antiga! Avião! Cuidado com o disco voador.

Para quem ficou curioso, as duas ruas mais bonitas do mundo, segundo os critérios da Architectural Digest, são (1º lugar) o trajeto encravado nas montanhas de Setenil de Las Bodegas, povoado no sul da Espanha, e (2º lugar) o Washington Street, no Brooklyn, em Nova York. Da Central, passando pela Mangueira, dando uma volta na Pavuna e chegando em Madureira, não há nenhuma citação à cidade maravilhosa.


A lista com as 31 localidades mais belas da revista norte-americana só tem duas vias na América do Sul: a Rua do Bom Jesus e o Caminito, em Buenos Aires (e a Avenida de Mayo, hein? Injustiça!!!). A Europa domina o ranking com 16 lugares selecionados, dois deles em Portugal – a Rua Luís de Camões, em Águeda (mais conhecida por seus guarda-chuvas coloridos) e a Rua da Bica de Duarte Belo, em Lisboa (aquela ladeira charmosa do bondinho). América do Norte e Ásia têm cinco ruas cada uma. Completam a classificação, duas vias na África e uma na América Central. Inexplicavelmente, não houve menção a nenhuma localidade da Oceania. Achei estranho isso porque a Austrália e a Nova Zelândia possuem paisagens urbanas de tirar o fôlego.


Parabéns a Rua do Bom Jesus e a todos os recifenses! Lá da rampa mandaram avisar que todo dinheiro será devolvido quando setembro chegar. Num envelope azul índigo. Num envelope azul índigo. Chama o síndico, Tim Maia! Meu amigo. Tim Maia!


Que tal o conteúdo do Bonas Histórias? Compartilhe sua opinião conosco. Para conhecer os demais posts dessa coluna, clique em Passeios. E não se esqueça de nos acompanhar nas redes sociais – Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn.

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Conteúdo Inteligente é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Keli Quitutes

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Bonas Histórias | blog de literatura, cultura e entretenimento | bonashistorias.com.br

Blog de literatura, cultura e entretenimento