• Ricardo Bonacorci

Mercado Editorial: As ficções mais vendidas no Brasil em 2020

Na lista dos dez livros de ficção mais vendidos nas livrarias brasileiras no ano passado, temos oito títulos estrangeiros e dois nacionais.

Ficções mais vendidas no Brasil em 2020 - Mercado Editorial

Em janeiro, apresentamos na coluna Mercado Editorial os dez livros mais vendidos nas livrarias brasileiras no ano passado. Como essa listagem estava recheada de obras de autoajuda (sete), de literatura infantojuvenil (dois) e de negócios (um), senti a necessidade de apresentar, agora, um ranking exclusivo com os títulos ficcionais mais comercializados em 2020. Afinal, esse é o gênero narrativo no qual o Bonas Histórias se propõe a analisar em seus posts. De outra forma, seria complicadíssimo saber quais são os best-sellers da ficção em nosso país. Infelizmente, ainda somos uma nação com leitores que priorizam livros da categoria não ficcional (geralmente, obras de autoajuda, religiosas ou produzidas por celebridades da Internet) e que desprezam os romances, as novelas e as coletâneas de contos.


Para descobrir os títulos das ficções mais vendidas, recorremos aos dados do PublishNews, a fonte mais confiável do mercado editorial brasileiro. O PublishNews faz a medição do setor utilizando-se principalmente das informações coletadas nas principais redes de livrarias do país.


Nas seis primeiras posições do ranking das ficções mais vendidas no Brasil em 2020, só temos romances internacionais que foram produzidos originalmente em língua inglesa. É o predomínio da literatura britânica, da literatura norte-americana e da literatura canadense, uma tendência que se repete há pelo menos duas décadas em nosso país. Dos primeiros colocados, três são livros contemporâneos – (1ª posição) “Sol da Meia-noite” (Intrínseca), de Stephenie Meyer, (2º) “A Garota do Lago” (Faro Editorial), de Charlie Donlea, e (5º) “O Homem de Giz” (Intrínseca), de C. J. Tudor –, e três são clássicos – (3º) “A Revolução dos Bichos” (Companhia das Letras) e (4º) “1984” (Companhia das Letras), de George Orwell, e (6º) “O Conto da Aia” (Rocco), de Margaret Atwood.

Mercado Editorial: livros de ficção mais vendidos no Brasil em 2020

Os primeiros títulos da literatura brasileira só surgem na sétima e na oitava colocações do ranking. A honraria cabe ao romance “Essa Gente” (Companhia das Letras), de Chico Buarque, e à coletânea de narrativas curtas “Textos Cruéis Demais para Serem Lidos Rapidamente” (Globo Alt), de Igor Pires da Silva e Gabriela Barreira.


A nossa lista termina com outros dois livros da literatura contemporânea internacional: “Mitologia Nórdica” (Intrínseca), romance de Neil Gaiman, e “Eleanor & Park” (Novo Século), de Rainbow Rowell.


Se pensarmos que “Sol da Meia-noite” é uma continuação da saga “Crepúsculo”, podemos dizer que os dez livros no topo do ranking das ficções mais comercializadas no ano passado em nosso país já haviam aparecido na liderança das vendas nos últimos anos. Ou seja, não tivemos nenhuma novidade entre as obras mais procuradas pelos leitores nacionais (prova cabal da escassez de lançamentos impactantes em 2020, algo que noticiamos nos últimos meses aqui na coluna Mercado Editorial).


Veja, a seguir, o ranking completo com os 10 títulos ficcionais mais vendidos em 2020 no Brasil:


1) “Sol da Meia-noite” (2020) – Stephenie Meyer (Estados Unidos) – Literatura Contemporânea Internacional – Intrínseca – 44 mil unidades.

Sol da Meia-noite de Stephenie Meyer

2) “A Garota do Lago” (2016) – Charlie Donlea (Estados Unidos) – Literatura Contemporânea Internacional – Faro Editorial – 42 mil unidades.

A Garota do Lago de Charlie Donlea

3) “A Revolução dos Bichos” (1945) – George Orwell (Inglaterra) – Literatura Clássica Internacional – Companhia das Letras – 33 mil unidades.

A Revolução dos Bichos de George Orwell

4) “1984” (1949) – George Orwell (Inglaterra) – Literatura Clássica Internacional – Companhia das Letras – 31 mil unidades.

1984 de George Orwell

5) “O Homem de Giz” (2018) – C. J. Tudor (Inglaterra) – Literatura Contemporânea Internacional – Intrínseca – 27 mil unidades.

O Homem de Giz de C. J. Tudor

6) “O Conto da Aia” (1985) – Margaret Atwood (Canadá) – Literatura Contemporânea Internacional – Rocco – 23 mil unidades.

O Conto da Aia de Margaret Atwood

7) “Essa Gente” (2019) – Chico Buarque (Brasil) – Literatura Contemporânea Nacional – Companhia das Letras – 20 mil unidades.

Essa Gente de Chico Buarque

8) “Textos Cruéis Demais para Serem Lidos Rapidamente” (2017) – Igor Pires da Silva & Gabriela Barreira (Brasil) – Literatura Contemporânea Nacional – Globo Alt – 14 mil unidades.

Textos Cruéis Demais para Serem Lidos Rapidamente de Igor Pires da Silva e Gabriela Barreira

9) “Mitologia Nórdica” (2017) – Neil Gaiman (Inglaterra) – Literatura Contemporânea Internacional – Intrínseca – 12 mil unidades.

Mitologia Nórdica de Neil Gaiman

10) “Eleanor & Park” (2013) – Rainbow Rowell (Estados Unidos) – Literatura Contemporânea Internacional – Novo Século – 12 mil unidades.

Eleanor & Park de Rainbow Rowell

Em maio, minha ideia é voltar à coluna Mercado Editorial para apresentar aos leitores do Bonas Histórias o ranking dos livros mais vendidos de 2020 considerando apenas a literatura brasileira. Aí vamos saber exatamente os autores e as obras nacionais que estão no topo dos mais comercializados. Até lá!


Gostou deste post e do conteúdo do Blog Bonas Histórias? Se você se interessa por informações do mercado editorial, deixe aqui seu comentário. Para acessar outras notícias dessa área, clique em Mercado Editorial. E aproveite para nos acompanhar nas redes sociais – Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn.

A Editora Pomelo é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Dança & Expressão é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
Eduardo Villela é Eduardo Villela é book advisor e parceiro do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento

Bonas Histórias

O Bonas Histórias é o blog de literatura, cultura e entretenimento desenvolvido por Ricardo Bonacorci desde 2014. Com um conteúdo multicultural (literatura, cinema, música, teatro, exposição e gastronomia), o Blog Bonas Histórias analisa as boas histórias contadas no Brasil e no mundo.

bonashistorias.com.br

Ricardo Bonacorci

Nascido na cidade de São Paulo, Ricardo Bonacorci tem 39 anos e trabalha como publicitário, produtor de conteúdo, crítico literário e cultural, editor, escritor e pesquisador acadêmico. Ricardo é especialista em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão da Inovação, bacharel em Comunicação Social, licenciando em Letras-Português e pós-graduando em Formação de Escritores.  

Mandarina é a livraria diferenciada que está localizada em Pinheiros, na cidade de São Paulo
BonaBelle Design & Organização é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento
A Epifania Comunicação Integrada é parceira do Bonas Histórias, blog de literatura, cultura e entretenimento